Gallo reclama, mas aprova o empate

O empate por 1 a 1 contra o Paraná neste domingo, em Maringá (PR), ficou bom para o Santos, na avaliação do técnico Gallo. Isso devido às circunstâncias em que esta foi disputada. Ele reclamou muito dos problemas para escalar o time e espera, agora, que os reforços pedidos cheguem logo à Vila Belmiro."Perdemos dois jogadores importantes na véspera do jogo (Fabinho e Bóvio), ficamos com um atleta a menos no decorrer do confronto e, assim mesmo, conseguimos criar boas chances na segunda etapa. Começamos bem, mas a partir dos cinco minutos o Paraná tomou conta do jogo e mereceu o placar de 1 a 0", disse. "Faltou um pouco de atitude, de espírito de luta em certos momentos da partida", completou a bronca. "E no Santos discuto com a diretoria todas as contratações", emenda, lembrando que aguarda as chegadas de Gavião e Luiz Alberto.Outra reclamação de Gallo foi o gramado do Estádio Willie Davids. "Na sexta-feira pedi para ao secretário de Esportes de Maringá que providenciasse o corte da grama, mas não fomos atendidos", conta, lembrando que devido à grama alta seu time foi obrigado a dar muitos chutões. Sobre o pênalti que Robinho teria sofrido na segunda etapa, Gallo preferiu o discurso diplomático. "Da distância em que eu estava, não dá para dizer se foi pênalti ou não, mas que foi falta não tenho dúvidas", disse.Outro lado - Já o técnico do Paraná, Lori Sandri, lamentou o fato de sua equipe não ter conseguido aproveitar a vantagem numérica em campo após a expulsão do lateral santista. "Faltou complementação de jogada entre os meninos, de um servir o outro para fazer o gol", explica. No entanto, ele ressalva que jogar com um time que tem 10 jogadores em campo, não significa, necessariamente, que a equipe completa consiga a vitória. "Já ganhei e já perdi jogos com dez jogadores em campo e sei que a coisa não é tão simples como as pessoas pensam", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.