Divulgação
Divulgação

Gallo vai escalar 6 'europeus' no amistoso da seleção olímpica

Técnico opta por time experiente no jogo com Paraguai

O Estado de S. Paulo

26 Março 2015 | 08h00

A seleção brasileira sub-23 que entrará em campo na sexta-feira para enfrentar o Paraguai em amistoso no estádio Kleber Andrade, em Vitória, deverá ter seis jogadores que atuam no futebol europeu: os zagueiros Rodrigo Ely (Avellino) e Wallace (Monaco), o lateral-esquerdo Wendell (Bayer Leverkusen), o volante Lucas Silva (Real Madrid), o meia Rafinha (Barcelona) e o atacante Felipe Anderson (Lazio).

Os cinco "domésticos" que têm treinado como titulares são o goleiro Jacsson (Inter), o lateral-direito Cláudio Winck (Inter), o volante Rodrigo Caio (São Paulo) e os atacantes Alisson (Cruzeiro) e Vitinho (Inter).

Mas Gallo já avisou que fará muitas mudanças, tanto durante a partida como na formação que começará o amistoso de domingo contra o México em São Luís – que será disputado às 17h, menos de 48 horas depois do encerramento do jogo de amanhã à noite.

"Os jogos vão ser muito importantes para nós, porque o Gallo já disse que vai observar todo mundo", disse o meia Talisca (Benfica), que já foi chamado por Dunga para a equipe principal e está de olho numa vaga no grupo que disputará os Jogos Olímpicos do ano que vem no Rio.

Pela grande fase que atravessa na Itália, Felipe Anderson está motivado para se firmar no grupo. Ele é o artilheiro da Lazio no Campeonato Italiano com nove gols, teve o contrato renovado até 2020 e é apontado como o melhor jogador da competição em 2015.

"Vivo o melhor momento da minha carreira e espero fazer dois grandes jogos. Disputar a Olimpíada é um dos meus objetivos, e vou lutar muito para conseguir isso.'' Ele completará 22 anos em abril e defende o time italiano desde 2013, mas explodiu nesta temporada.

Casa cheia

O amistoso está despertando grande interesse em Vitória. Os 16 mil ingressos colocados à disposição do público foram vendidos rapidamente, e a CBF tenta conseguir uma autorização do Corpo de Bombeiros para vender mais cinco mil ingressos. Mas é pouco provável que consiga, porque o estádio ainda está inacabado – embora tenha servido de local de treinamentos para a seleção de Camarões durante a Copa do Mundo.

No treinamento de quarta-feira, o segundo realizado pela seleção no local da partida, os portões foram abertos para os torcedores e um bom número de pessoas entrou para ver a movimentação dos jogadores.

Mais conteúdo sobre:
Futebol seleção brasileira Gallo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.