Clayton de Souza/Estadão
Clayton de Souza/Estadão

Ganso deseja evolução e pede para ser cobrado no São Paulo

Meia admite que ainda não apresentou o futebol que a torcida espera, mas mostra otimismo

Fernando Faro, Agência Estado

21 de fevereiro de 2013 | 17h21

SÃO PAULO - Titular na vitória sobre o São Caetano nesta quarta-feira, o meia Paulo Henrique Ganso espera agora ter uma sequência de jogos para conseguir enfim embalar no São Paulo. Recuperado fisicamente e apto a jogar regularmente sem limitações, ele admite que ainda não apresentou o futebol que a torcida espera, mas está otimista com o futuro.

Em entrevista coletiva no CT da Barra Funda, o meia reafirmou seu desejo de ser titular e diz que está ansioso para readquirir sua melhor forma rapidamente, mas não pretende reivindicar o posto e deixa a critério de Ney Franco decidir.

"Quero dar o meu melhor aqui e ajudar o time a conquistar as coisas. Algumas partidas tenho começado como titular, outras no banco, mas quero essa evolução ''para ontem''. Todo jogador tem que estar em campo como titular e jogando, é isso que todo mundo quer. Você respeita a posição do treinador e seu companheiro, mas claro que todo mundo quer jogar"

Ganso pode ter dado mais um passo para confirmar sua titularidade contra o Linense neste sábado, às 18h30. Ele foi bastante elogiado por Ney Franco após o jogo ABC e o treinador pode optar por escalá-lo novamente e dar a tão aguardada sequência de partidas entre os titulares.

Mostrando a personalidade dos tempos de Santos, ele afirmou não ter receio das críticas e disse que pode ser cobrado pelos torcedores desde agora, mas lembra que não é o único atleta capaz de trazer as vitórias ao time.

"Todo mundo sabe da minha qualidade. Não tenho que decidir os jogos, mas ajudar o São Paulo a decidir os jogos com esse elenco de enorme qualidade que temos. Não sou só eu que tenho que definir, mas pode acontecer como contra o Ituano. Sei da responsabilidade que tenho, posso ser cobrado".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.