Lucas Merçon/FFC
Lucas Merçon/FFC

Ganso e Oswaldo põem panos quentes em discussão após trocarem xingamentos no Flu

O meio-campista não gostou de ser substituído e chamou o técnico de "burro", que respondeu com "vagabundo"

Redação, Estadao Conteudo

26 de setembro de 2019 | 23h06

Mesmo jogando em casa, no Maracanã, o Fluminense não conseguiu voltar a vencer no Campeonato Brasileiro para abrir distância da zona de rebaixamento. Na noite desta quinta-feira, o time carioca ficou no empate pelo placar de 1 a 1 com o Santos. O que roubou a cena, porém, foi a discussão entre Paulo Henrique Ganso e o técnico Oswaldo de Oliveira, após a substituição do meio-campista no segundo tempo.

O meio-campista não gostou de ser substituído e chamou o técnico de "burro". O treinador não recuou ao xingamento e respondeu: "Vagabundo". Mas, antes da discussão se tornar algo maior, os dois foram separados por membros da comissão técnica. Logo após a partida, o meio-campista falou que o bate-boca aconteceu por conta do clima quente do jogo.

"Eu não trabalho para o Oswaldo, eu trabalho para o Fluminense. Procuro ajudar meus companheiros como estava fazendo dentro de campo. Foi uma briga apenas em campo, não tem como ser educado dentro das quatro linhas. Isso faz parte, vou conversar com ele agora nos vestiários, mas vamos ver o que vai acontecer. É coisa do clima quente do jogo", afirmou o jogador.

Na entrevista coletiva que deu após o jogo, Oswaldo Oliveira tratou de colocar panos quentes na situação. "Tudo está resolvido. Eu tomei a atitude de nos vestiários ir em direção dele (Ganso) e lhe dar um abraço. O Fluminense vive um momento especial, no qual todos nós vivemos situações intensas. Às vezes os ânimos passam dos limites. Eu procuro sempre respeitar a todos porque respeito à hierarquia. Quando percebi que não aconteceu isso, então eu reagi como achei que devia", explicou.

Sobre a substituição de Ganso, o técnico ainda esclareceu que vinha pedindo para o meia voltar na marcação. "Daí ele me xingou e eu o tirei do campo", justificou.

O técnico lembrou o fato de que vai completar 44 anos de carreira e que não foi a primeira vez que enfrentou este tipo de situação. Porém, admitiu: "Espero que seja a última". Indagado também sobre a sua situação à frente do time, ele disse que "está preparado para aguentar toda a pressão". "Inclusive, respeitando a posição da torcida que xingou bastante a mim e ao time, o que é natural quando não se ganha", completou.

Sem vencer há duas rodadas, o time carioca amarga a 16.ª colocação, com 19 pontos, e é o primeiro time fora da zona de rebaixamento. Para o meia Daniel, esse tipo de discussão não afeta em nada o clima do elenco com o treinador. Ele ainda afirmou que tem certeza de que tudo isso seria resolvido no vestiário, como realmente ocorreu.

"Com certeza. O Oswaldo é nosso treinador e temos que respeitá-lo. Os dois estavam de cabeça quente. O clima ficou pesado aqui no Maracanã, todo mundo queria vencer e por isso houve essa discussão. Mas tenho certeza de que eles vão se entender. O nosso foco segue em tirar o Fluminense deste local incômodo da tabela", completou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.