Ganso marca dois e São Paulo bate Flamengo no Maracanã

Equipe são-paulina conquista a primeira vitória fora de casa e acaba com série de empates

Marcius Azevedo, O Estado de S. Paulo

18 de maio de 2014 | 18h17

SÃO PAULO - Paulo Henrique Ganso sofreu na mão de Ney Franco na passagem do agora técnico do Flamengo pelo São Paulo. Neste domingo foi a vez do treinador, que insistiu em deixá-lo mais tempo no banco, levar o troco mais uma vez. O meia fez os dois gols da vitória por 2 a 0, no Maracanã, que encerrou uma sequência de três empates da equipe no Campeonato Brasileiro.

Este foi o segundo reencontro do camisa 10 com o treinador desde a saída tumultuada do Morumbi. Ney disparou contra Rogério Ceni e sua crítica respingou em Ganso, que, segundo ele, não era titular por interferência do goleiro. Naquela oportunidade, em outubro de 2013, o meia não marcou, mas deu duas assistências no triunfo por 3 a 2 contra o Vitória.

Agora o estrago foi maior. Os gols de Ganso vão proporcionar dias tumultuados pelos lados da Gávea. A torcida não poupou o time e já pediu o retorno de Jayme de Almeida, demitido para que Ney fosse contratado.

DOMÍNIO

Preocupado com o setor defensivo, que contava apenas com Antonio Carlos entre os considerados titulares, Muricy prendeu os laterais lá atrás. Reinaldo e Paulo Miranda não especulavam no campo ofensivo. A saída era pelo meio, com Souza, Maicon e Ganso.

Luis Fabiano e Alexandre Pato saíam bastante da área, abrindo espaço que era ocupado por Osvaldo. O atacante se movimentava no buraco entre volantes e zagueiros flamenguistas.

Na primeira chance saiu diante de Felipe, mas preferiu tentar rolar para Pato em vez de chutar. A defesa afastou. Na segunda, aos 23, o passe foi milimétrico para Ganso. O meia, tão cobrado por Muricy para ser mais efetivo, demonstrou frieza de centroavante para deslocar o goleiro rubro-negro.

A vantagem fez o São Paulo pisar no freio. A bola era tocada de pé para pé. A tática era eficiente. O Flamengo não conseguia incomodar Rogério Ceni e ainda sofria para parar o ataque tricolor. Pato e Ganso desperdiçaram boas chances.

Muricy não alterou a estratégia para o segundo tempo. Ney Franco, sim. O Flamengo voltou pressionado a saída de bola e, em poucos minutos, fez mais do que nos 45 iniciais. Everton mandou uma bola na trave e, em seguida, exigiu defesa complicada de Rogério Ceni.

A pressão flamenguista foi perdendo o fôlego em campo. Fora dele, a arquibancada passou a jogar contra. Os torcedores protestavam com veemência. Os jogadores rubro-negros acusaram o golpe. Nervosos, erravam lances simples. O São Paulo fez leitura eficiente da situação e passou a jogar com inteligência. Fechava os espaços e buscava o contra-ataque. Fechou o placar aos 46, outra vez com Ganso.

FICHA TÉCNICA

FLAMENGO 0 X 2 SÃO PAULO

FLAMENGO - Felipe; Léo Moura, Wallace, Samir e André Santos; Marcio Araújo, Luiz Antônio (Mugni), Everton (Negueba) e Paulinho; Alecsandro e Hernane (Elano). Técnico - Ney Franco.

SÃO PAULO - Rogério Ceni; Paulo Miranda, Lucão, Antônio Carlos e Reinaldo; Souza, Maicon (Hudson) e Paulo Henrique Ganso; Alexandre Pato (Pabón), Luis Fabiano e Osvaldo (Boschilla). Técnico - Muricy Ramalho.

GOLS - Paulo Henrique Ganso, aos 22 minutos do primeiro tempo e aos 45 minutos do segundo tempo.

CARTÕES AMARELOS - Léo Moura (Flamengo) e Maicon (São Paulo)

ÁRBITRO - Ricardo Marques Ribeiro (MG).

RENDA - R$ 968.230,00.

PÚBLICO - 19.871 pagantes (25.118 presentes).

LOCAL - Estádio do Maracanã, no Rio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.