Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Ganso tenta brilhar pela primeira vez contra o Santos

Desde que chegou ao São Paulo, meia teve atuações apagadas contra o ex-clube

Fernando Faro, O Estado de S. Paulo

23 de fevereiro de 2014 | 05h03

A cada partida da atual temporada, as dúvidas sobre os objetivos de carreira de Paulo Henrique Ganso vão aumentando. Um dos poucos destaques do São Paulo no segundo semestre do ano passado, o camisa 10 parece ter deixado seu futebol em 2013 e mais uma vez volta a preocupar dirigentes, torcedores e comissão técnica, que perguntam o que acontece com o meia que pintou como craque, mas hoje vive de lampejos cada vez mais raros e muitas vezes transmite a sensação de que não está 100% ligado.

Ganso mais uma vez terá o combustível de enfrentar seu ex-clube, de onde saiu em 2012 sob vaias e chuva de moedas, como motivador para voltar a mostrar seu inegável talento. Até aqui, porém, nas três vezes em que encarou o Santos teve atuações abaixo da crítica - foi substituído em duas - e foi mais notado pelos xingamentos dos ex-súditos do que por jogadas e passes. A vã esperança da torcida é que desta vez ele acorde e faça jus aos R$24 milhões investidos pelo São Paulo para tirá-lo da Vila Belmiro.

A atuação contra o São Bernardo parece ter esgotado a paciência de Muricy Ramalho. Ao ser questionado sobre Ganso, não quis responder embora tenha dito que as perguntas eram boas. As estocadas vieram de maneira indireta, quando o treinador analisou o motivo do Tricolor oscilar tanto nas partidas. "O que falta é o controle de jogo, time grande tem que ter isso. Nós precisamos comandar, não entrar na correria. Temos que ter a posse de bola no meio, ficar com ela, isso ainda não temos", afirmou o treinador.

Alguns dias antes de se recusar a falar sobre o meia, Muricy parecia bem mais animado e disse ter feito um trabalho especial para que ele chegasse mais na área. "A gente insiste com ele desde a época do Santos. É isso que falta a ele. Falta querer mais, participar mais dos 90 minutos, mais dentro da área. O resto é da técnica dele. Isso, ele não esquece", disse há uma semana. Curiosamente, Ganso estava na sala ao lado e ouviu as críticas. Com um sorriso amarelo, apareceu na entrevista e disse "obrigado, viu?".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.