Fernando Llano|AP
Fernando Llano|AP

Ganso vai de herói a vilão e São Paulo só empata com Trujillanos

Meia perde pênalti após marcar gol de empate para o tricolor

Ciro Campos, O Estado de S.Paulo

16 de março de 2016 | 21h41

Ganso conseguiu em um mesmo jogo ser o salvador e o vilão do São Paulo nesta quarta-feira. O camisa 10 fez o gol e perdeu o pênalti que daria ao time a virada contra o Trujillanos, na Venezuela. O empate em 1 a 1 pela Copa Libertadores e complicou ainda mais a situação do clube do Morumbi.

A equipe fechou o primeiro turno sem vitórias e somente dois pontos ganhos. Está três pontos atrás do segundo colocado, o River Plate, que ficou no 1 a 1 no líder The Strongest (7), em La Paz. Ganso, o artilheiro do São Paulo na temporada, mais uma vez centralizou as ações do time. Deu bons passes e esteve presente como protagonista nos principais momentos. Tanto para o bem como para o mal. O gramado ruim em Valera e o cansaço do São Paulo pela viagem de mais de 24 horas pareceram pesar bastante. O time marcava mal, estava lento e demorou para se arriscar ao ataque.

As duas equipes perderam boas chances no começo do primeiro tempo, até o Trujillanos explorar o espaço de sobra no lado direito do ataque para armar a jogada do gol. O lateral Granados cruzou e Rojas subiu mais alto que Lugano para fazer 1 a 0 aos 35 minutos. A resposta do São Paulo veio rápido, quase que no impulso automático pelo golpe recebido. Novamente Ganso fez o time ganhar fôlego ao receber cruzamento na área, dominar e chutar forte para empatar, dois minutos depois de a equipe ficar em desvantagem.

O passar do tempo na etapa final pressionou o time. A solução para os problemas poderia vir em uma cobrança de pênalti. Ganso, sempre ele, achou Carlinhos na área, que foi derrubado. Prontamente o camisa 10 chamou a responsabilidade e bateu. A bola bateu no travessão, no terceiro pênalti perdido pela equipe no ano.

O relógio apontava 18 minutos e só depois disso o São Paulo despertou. O técnico Edgardo Bauza começou a mexer no time e a postura passou a ser de pressão. A equipe finalmente arriscou chutes de longe e se deu conta que perder pontos para um time venezuelano custaria caro para a situação no grupo. O desespero do São Paulo quase custou a derrota. A melhor chance no fim foi do Trujillanos. Cabezas perdeu chance após sair livre na cara de Denis.

FICHA TÉCNICA

TRUJILLANOS 1 X 1 SÃO PAULO

TRUJILLANOS - Pérez; Granados, Erazo, Cuevaz e Páez; Osorio, Cova, Nieves (Britos) e Sosa (González); Rojas (Vivas) e Cabezas. Técnico: Horácio Matuszcykz.

SÃO PAULO - Denis; Bruno (Caramelo), Lugano, Rodrigo Caio e Mena; Hudson e Thiago Mendes; Centurión (Rogério), Ganso e Carlinhos (Kelvin); Alan Kardec. Técnico: Edgardo Bauza.

GOLS - Rojas, aos 35, e Ganso, aos 37 minutos do primeiro tempo.

JUIZ - Wilson Lamouroux (COL).

CARTÕES AMARELOS - Rodrigo Caio, Carlinhos, Cabezas, Páez, Britos, Caramelo.

PÚBLICO E RENDA - Não divulgados.

LOCAL - José Alberto Pérez (Valera).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.