Power Sport Images | PAGOS
Power Sport Images | PAGOS

Ganso vive situação insustentável com Sampaoli no Sevilla

Sem jogar há três meses, meia brasileiro do Sevilla está irritado com o técnico argentino, que perdeu a confiança no jogador

Marcius Azevedo, O Estado de S. Paulo

27 de março de 2017 | 07h00

A situação do meio-campista brasileiro Paulo Henrique Ganso na Espanha é um quebra-cabeça de difícil solução. Há quem defenda que o meia está sendo injustiçado no Sevilla e é até vítima de perseguição do técnico argentino Jorge Sampaoli. Outros indicam que o treinador não tem mais confiança em escalá-lo por considerar que o futebol do país tem uma intensidade maior do que o jogador está preparado para suportar.

O convívio entre os dois está complicado. Sampaoli expôs Ganso publicamente. "Ele não está jogando quase que por sua própria decisão", disse. Insatisfeito, o jogador está se empenhando nos treinos, mas ele teve poucas oportunidades. O meia, que até foi relacionado nos últimos jogos, está próximo de completar três meses sem atuar – a última partida foi no dia 4 de janeiro, contra o Real Madrid, pela Copa do Rei.

A avaliação de pessoas próximas ao jogador é de que Sampaoli não lhe permitiu o tempo necessário de adaptação. Ganso, aos 26 anos, está em sua primeira experiência fora do Brasil. O meia esteve em campo em apenas 12 jogos desde que chegou ao Sevilla, em julho do ano passado, contratado do São Paulo por R$ 34,3 milhões, em uma aposta pessoal do treinador.

Para o jornalista Juan Antonio Pineda, da Rádio Marca, que acompanha o Sevilla diariamente, o problema é outro. "Ganso não tem intensidade para atuar na Espanha, falta velocidade, falta físico", analisa. A opinião é compartilhada por José Manuel Oliva, jornalista da rádio Cadena Cope. "O Ganso está abaixo dos outros jogadores na questão de ritmo e físico. Sampaoli não tem mais confiança em escalá-lo."

Sampaoli testou Ganso praticamente em todas as funções no meio de campo. A intensidade da equipe engoliu o brasileiro. O treinador prefere escalar jogadores menos técnicos, como Iborra, N'Zonzi, Vitolo e Nasri, mas que vão manter o ritmo que o argentino imagina ser o ideal para os seus conceitos de futebol.

O bom desempenho do Sevilla na temporada também corroborou com a postura de Sampaoli em relação ao brasileiro. A equipe passou muito tempo brigando com Real Madrid e Barcelona pela liderança do Campeonato Espanhol – atualmente está na terceira colocação, oito pontos atrás dos madrilenhos e seis dos catalães – e caiu nas oitavas de final da Liga dos Campeões para o Leicester City.

Sampaoli não mudará de ideia em relação ao brasileiro. A leitura é de que Ganso só jogará efetivamente se o treinador for embora. Algo que, neste momento, parece pouco provável. O jornal Marca informou na sexta-feira que o argentino teria exigido a saída do meia para ele permanecer. Uma possível transferência está em compasso de espera. O Sevilla não quis negociá-lo em janeiro, quando recebeu ofertas de Valencia e Fenerbahçe. O diretor esportivo do clube, Ramón 'Monchi' Rodríguez, ainda tem esperança de que o alto investimento dê resultado.

Enquanto isso, Ganso continua trabalhando forte para receber uma chance. O técnico Juan Carlos Osorio, que comandou o meia no São Paulo e o visitou recentemente em Sevilha, fez elogios. "Ele está tranquilo, trabalhando e buscando um lugar entre os 11", comentou o treinador da seleção do México.

O jogador também recebeu o técnico da seleção brasileira. Para Tite, o sucesso de Ganso é questão de tempo na Espanha. "Ele deu um passo desafiador, precisava jogar num grande centro. Está sendo desafiado para um processo novo, dentro de um futebol competitivo. Está num processo de adaptação."

Fora de campo, Ganso curte, ao lado da mulher Giovanna, os primeiros meses de vida de Stella, sua terceira filha, que nasceu em fevereiro. O casal já tinha Henrico, de dois anos. O jogador tem outra filha, Maria Victoria, de 4 anos, fruto de um relacionamento anterior. Nas redes sociais, Ganso segue ativo, publicando fotos dos seus momentos pessoais no Instagram.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.