Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Ganso volta à boa forma e afirma viver 'momento fantástico' no São Paulo

Após série de lesões, meio-campista tem ajuda de jogadores, revela autoconfiança e comemora boa fase na sua equipe

ANDREW DOWNIE - REUTERS

31 de outubro de 2014 | 15h29

Mais forte fisicamente, com menos lesões e ajudado por jogadores experientes, Paulo Henrique Ganso voltou à sua melhor forma no São Paulo. O ressurgimento do jogador é uma das razões para o time estar em segundo lugar no Campeonato Brasileiro e em busca da semifinal da Copa Sul-Americana neste final de temporada.

O habilidoso meia canhoto acredita que está em sua melhor forma desde 2011, ano em que foi apontado como próximo grande meio-campista do Brasil e também quando sua parceria com Neymar ajudou o Santos a conquistar a Copa Libertadores pela primeira vez desde a época em que Pelé vestia a camisa do time paulista, na década de 1960.

"É um momento fantástico para mim agora", disse Ganso. "Estou jogando bem, marcando gols, e estamos com chance em duas competições diferentes". O meia de 25 anos acredita que, mesmo jovem, já apresenta maturidade em seu jogo."Eu sei os atalhos agora. As coisas não poderiam estar melhores", afirmou.

Ganso sempre foi alto e magro. Quando o Santos ganhou a Libertadores, ele tinha 72 quilos distribuídos em 1,83 metro. Agora, porém, o meio-campista tem mais sete quilos, que o ajudaram a ganhar uma solidez que lhe faltava para as disputas mais ríspidas do futebol sul-americano. "Estou mais forte e menos suscetível a lesões agora", revelou, dois anos depois de uma transferência polêmica do Santos para o São Paulo.

Após superar uma série de lesões, o jogador passou por uma época difícil, na qual se sentia desmotivado. Hoje é diferente, a autoconfiança é evidente em seu jogo. Ganso tem sete gols e 12 assistências neste ano, mais do que em 2013, restando seis semanas para o fim da temporada. Mais importante para um jogador que sofreu repetidas lesões no joelho, sua resiliência levou ao maior período sem contusões desde que ele fez sua estreia profissional, em 2008.

Ganso disse que parte do crédito por seu retorno à boa fase deve-se a ex-jogadores. O ex-atacante Denilson o aconselhou a fazer mais musculação, enquanto outros dois veteranos de Copa do Mundo, o goleiro Zetti e o lateral Jorginho, disseram para ele trabalhar duro e acreditar em si mesmo. Em campo, Kaká, que está emprestado ao São Paulo antes de se juntar ao Orlando no próximo ano, tem sido uma influência estabilizadora.

Ganso espera que o bom momento o leve para a seleção de novo. Ele tem 11 jogos, mas sua última aparição com a camisa do Brasil foi em 2012, e ele admitiu que muitas vezes liga para o amigo Neymar para conversar sobre acontecimentos da seleção.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.