Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Na Copa Libertadores, Palmeiras pretende ir atrás de nomes de peso

Diretor de futebol, Alexandre Mattos, tem analisado o mercado

DANIEL BATISTA, O Estado de S. Paulo

03 de dezembro de 2015 | 11h05

O objetivo da diretoria do Palmeiras foi concretizado: o time está na Copa Libertadores do ano que vem. Com isso, aumentam consideravelmente as chances de reforços de peso chegarem ao clube para a próxima temporada.

O diretor de futebol do clube, Alexandre Mattos, tem analisado o mercado, mas a definição de quem e quantos atletas serão contratados para o ano que vem passava por saber se o time estaria ou não na Libertadores. Com a vaga na competição continental assegurada, em razão do título da Copa do Brasil, a ideia é contratar pelo menos dois jogadores de nome para qualificar o elenco.

Quem será fundamental nesta busca por nomes de peso serão os patrocinadores do Palmeiras, em especial a Crefisa e a FAM. Leila Pereira, presidente da faculdade, já disse algumas vezes que sonhava contratar um jogador de renome internacional. Pouco depois, acabou contratando Lucas Barrios, em uma negociação que totalizou R$ 40 milhões. A empresa ainda investiu na aquisição de Vitor Hugo, Leandro Almeida e Thiago Santos.

Sobre possíveis estrelas que podem chegar, alguns nomes são comentados no clube. Everton Ribeiro é um sonho de Alexandre Mattos, desde que ele chegou ao Palmeiras, no início do ano. Outros dois nomes também comentados são Ricardo Goulart e Conca. O trio ganha salários elevados, mas estariam dentro do que a diretoria pensa em nome de peso para a Libertadores.

Entre os nomes certos para 2016, que não são estrelas, está o goleiro Vagner, do Avaí. Ele chega logo depois do término do Brasileiro. O volante Jean, do Fluminense, tem conversas adiantadas, mas o Palmeiras tem a concorrência de outros clubes brasileiros e do futebol árabe.

O Palmeiras garantiu a vaga na Libertadores ao se sagrar campeão da Copa do Brasil na noite desta quarta-feira. O time alviverde venceu o Santos no tempo normal por 2 a 1, e nos pênaltis, por 4 a 3.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.