Argel evita lamentar ausência na Libertadores de 2016

Treinador permanecerá no Inter na próxima temporada

Estadão Conteúdo

07 de dezembro de 2015 | 09h53

Garantido no comando do Internacional para a temporada 2016, Argel Fucks acredita que o time poderia até ter brigado pelo título do Brasileirão caso tivesse sido contratado mais cedo pela diretoria. Para o treinador, o Inter só não se garantiu na Copa Libertadores porque a campanha do primeiro turno ficou aquém do esperado.

"Acho que o trabalho foi muito bem feito. Se tivesse chegado no início, estaria hoje brigando pelo título. Não perdemos em casa. Ficamos no G2 no segundo turno. O Corinthians perdeu aqui para nós", argumentou o treinador, ao exaltar os números obtidos pelo Inter desde sua chegada, na metade de agosto.

O bom rendimento à frente da equipe gaúcha garantiu a permanência do treinador para 2016, mesmo sem a vaga na Libertadores. Ao fim da vitória sobre o Cruzeiro, domingo, no Beira-Rio, o presidente Vitorio Piffero confirmou Argel para a próxima temporada - ele tem contrato até 31 de dezembro de 2016.

E o treinador já prevê maior cobrança no próximo ano. "O Inter é time grande, mas estou acostumado. Me preparei para chegar aqui no Inter. Cobrança sempre existe. Terei o direito de começar um trabalho. O treinador sempre vive de resultado", afirmou Argel, que já aponta as necessidades do time para 2016. "Precisamos melhorar muita coisa, como sistema de jogo, parte física. Precisamos ter um grupo homogêneo na parte física."

O Inter terminou o Campeonato Brasileiro na quinta colocação, fora do G4, que dá vaga na Libertadores. O time gaúcho tinha chances de classificação na rodada final. Para tanto, precisava vencer o Cruzeiro e torcer contra o São Paulo. O Inter fez sua parte ao vencer os mineiros por 2 a 0, mas o rival paulista derrotou o Goiás por 1 a 0 e ficou com a quarta vaga na tabela do Brasileirão e o consequente lugar na Libertadores.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolInterArgel

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.