Gareca adota discurso contraditório sobre seu futuro

A rádio argentina, treinador diz que mau resultado contra o Coritiba pode ser seu 'limite'; Na quarta-feira, ele garantiu que fica no cargo

DANIEL BATISTA, Estadão Conteúdo

22 de agosto de 2014 | 11h09

Sem conseguir uma vitória em sete jogos no comando do Palmeiras no Brasileirão, o técnico Ricardo Gareca sabe que, apesar do apoio da torcida, a pressão em cima de seu trabalho é muito grande. Por isso, o treinador admite a possibilidade de não resistir a mais um resultado negativo neste sábado, diante do Coritiba, no Pacaembu. Mas, adotando um discurso contraditório, o treinador nega que possa deixar a equipe em caso de mais um tropeço na competição.

"Nunca imaginei que chegaria a esta situação. Não vejo um limite, mas se perdemos no sábado, aí parece que será o meu limite", disse o treinador, em entrevista à Rádio América, de Buenos Aires. Pouco antes, ele afirmou que não sabe até quando tanto ele quanto o clube irão suportar a pressão caso os resultados não comecem a acontecer. "Meu futuro será jogo a jogo. Tenho o apoio de todos e acredito que ainda farei um bom trabalho", explicou.

O fato é que Gareca ainda está assustado com tudo que está acontecendo e a postura contraditória já aconteceu em outros momentos. Depois do jogo contra o São Paulo, por exemplo, ele disse, em entrevista coletiva, que sua paciência tinha limites, mas na rodada seguinte, após o jogo contra o Sport ele já afirmou que não iria deixar o clube e que, se fosse para sair, isso só aconteceria quando a equipe estivesse bem na competição ou se ele fosse mandado embora pela diretoria.

Ainda em entrevista para a rádio argentina, o treinador admitiu que está surpreso com o fato de ser mantido no cargo mesmo tendo um desempenho tão ruim. Em 10 jogos no comando Palmeiras, ele conquistou três vitórias (duas na Copa do Brasil e uma em amistoso), um empate e seis derrotas (Santos, Cruzeiro, Corinthians, Atlético-MG, São Paulo e Sport).

"Acredito que seja inédito uma grande equipe manter um técnico com tantas derrotas. No Brasil, assim como na Argentina. É estranho que, depois de passadas tantas rodadas com o Palmeiras na última posição, tenham me mantido no cargo", disse o treinador.

Sob pressão, Gareca tem a chance de iniciar uma nova fase na equipe neste sábado, quando enfrenta o Coritiba, às 21h, no estádio do Pacaembu.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolPalmeirasGarecaBrasileirão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.