Gareca aposta em mudanças para espantar a crise

Técnico do Palmeiras conta com o retorno do meia Valdivia para vencer e se afastar da zona de rebaixamento no Brasileiro

Daniel Batista, O Estado de S.Paulo

17 de agosto de 2014 | 06h55

O Palmeiras entra em campo pressionado com o jejum de oito jogos sem uma vitória no Campeonato Brasileiro e o técnico Ricardo Gareca mais uma vez mudou na formação da equipe titular. Mas pela primeira vez desde que chegou ao time, suas alterações não serão por lesão ou suspensão, mas sim, por sua opção tática, o que lhe dá mais confiança de que algo pode mudar a partir do clássico.

"Gosto de repetir o time, mas desta vez, mudei por opção tática e não lesão ou cartão, como aconteceu nos últimos jogos. Então tenho consciência que podemos ter dificuldades por causa de entrosamento, mas fiz o que acho ser o melhor para a equipe", disse o treinador.

A situação do Palmeiras é muito mais delicada no campeonato do que a do São Paulo. A má atuação e impressão de comodismo de alguns jogadores fizeram o treinador resolver apostar em um time mais marcador e criativo no meio de campo. Wesley e Leandro deixaram a equipe para as entradas, respectivamente, de Marcelo Oliveira e Mouche.

Na defesa, o treinador deve armar um esquema especial para impedir que Alan Kardec tenha espaço. Lúcio deve ser o responsável por sua marcação, enquanto Tobio vai colar em Pato.

A ideia de Gareca com as mudanças é ter um time que saiba segurar mais a bola e tenha tranquilidade para chegar ao gol adversário. O retorno de Valdivia acalenta o treinador, que projeta dias melhores com a presença do chileno em campo.

"Ele ainda não está 100%, mas precisa jogar para melhorar. Ficar 20 ou 30 minutos em campo não adianta nada. Ele tem que jogar o quanto aguentar", avisou o treinador.

O último jogo de Valdivia foi no dia 10 de maio na vitória por 2 a 0 sobre o Goiás. Foi o primeiro jogo após a saída de Gilson Kleina. De lá para cá foram 14 jogos, sendo seis vitórias, dois empates e seis derrotas. Neste período, o meia defendeu a seleção chilena na Copa do Mundo e depois tirou dez dias de férias, após acertar com o Al Fujairah, dos Emirados. Como a negociação não se concretizou, ele retornou ao clube.

QUALIDADE

Com o chileno em campo, o time ganha em criatividade e velocidade das jogadas no meio de campo. Allione deve cair pelas pontas e tentar abrir espaço para a chegada do chileno. Já no ataque, Gareca queria colocar Cristaldo desde o início, mas ele não aguentaria a partida inteira, por isso, deve começar no banco de reservas e Henrique ganha a última chance de mostrar serviço antes de se tornar reserva, de fato.

Tudo o que sabemos sobre:
PalmeirasFutebolRicardo Gareca

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.