Martin Meissne/AP
Martin Meissne/AP

Gareca volta a desconversar sobre futuro e diz que o Peru podia ir mais longe

Treinador argentino viu seleção peruana jogar bem, mas ser eliminada na primeira fase

Leandro Silveira, enviado especial / Sochi, O Estado de S.Paulo

26 Junho 2018 | 16h02

Terminada a participação da seleção do Peru na Copa do Mundo da Rússia, em fim selado com a vitória por 2 a 0 sobre a Austrália, em Sochi, nesta terça-feira, a expectativa agora se volta para a definição do futuro do técnico Ricardo Gareca. Mas embora na última segunda o argentino tenha declarado que a situação será resolvida em breve, ele declarou após o compromisso no Fisht Stadium que precisa de algum tempo para tomar uma decisão.

+ Guerrero homenageia Farfán em celebração e vê início de nova era na seleção

+ França e Dinamarca avançam às oitavas após o primeiro 0 a 0 da Copa

Além disso, Ricardo Gareca indicou preocupação sobre se suportaria um ciclo de quatro anos no Peru até a Copa do Mundo de 2022 - ele está à frente da seleção desde 2015, a tendo conduzido às semifinais da Copa América no mesmo ano, além da classificação à Copa do Mundo após um período de 36 anos sem participar do torneio.

"É preciso analisar as coisas, fazer balanços pessoais. A federação também fará. Temos que ver uma série de questões. O tempo é providencial para isso", afirmou Ricardo Gareca, que recentemente teve o seu nome especulado como possível sucessor de Jorge Sampaoli na seleção da Argentina.

"As responsabilidades são maiores em uma seleção. Implicam um país e são quatro anos. Enfrentei situações complicadas nesses três anos e meio, mas nunca pensei em sair. Se assinar, será até o fim, independentemente dos resultados. É preciso analisar tudo. É algo para resolver com o tempo", acrescentou, sem dar qualquer dica sobre o seu futuro.

 

Embora a torcida peruana tenha festejado a vitória por 2 a 0 sobre a Austrália, Ricardo Gareca exibiu insatisfação com o desempenho da sua seleção na Copa do Mundo. A equipe chegou ao confronto desta terça-feira já eliminada, pois havia perdido os compromissos anteriores para Dinamarca e França por 1 a 0 e fechou a participação no Grupo C com três pontos somados em três jogos.

"Estávamos convencidos do que poderíamos fazer mais. E enfrentamos uma equipe forte fisicamente e com chance de se classificar. Superamos duas derrotas seguidas, mas a expectativa era outra. Mas os felicitei pelo esforço que fizeram e pela multidão que nos apoiou", avaliou.

Ricardo Gareca também apontou que o Peru não teve grande atuação diante da Austrália. Mas garantiu ter ficado satisfeito com o que viu, pois seus jogadores estavam emocionalmente abalados pela eliminação precoce. "Jogamos melhor nas partidas anteriores. Foi um golpe muito duro, mas superamos em todos os aspectos, então o mérito é duplo", concluiu.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.