Cesar Greco/Ag. Palmeiras
Cesar Greco/Ag. Palmeiras

Garotada do sub-20 do Palmeiras também briga por uma taça nacional

Meninos de Palmeiras e Vitória disputam a final do Brasileiro da categoria em jogos de ida e volta. Começa nesta quinta-feira, na Bahia

Gonçalo Junior, O Estado de S.Paulo

18 Outubro 2018 | 05h00

Paralelamente ao entusiasmo com a disputa de dois títulos com o time principal (Libertadores e Campeonato Brasileiro), o Palmeiras começa hoje a decidir um título inédito nas categorias de base. A equipe do técnico Wesley Carvalho enfrenta o Vitória, no Barradão, em Salvador, no jogo de ida das finais do Campeonato Brasileiro Sub-20, às 21h30. O confronto será transmitido ao vivo pelo SporTV e pela ESPN Brasil. A decisão será na semana que vem no Allianz Parque. 

No ano passado, o time parou na primeira fase do torneio e acabou conquistando apenas o Paulista da categoria. Com a chegada de Felipão, a equipe acabou se espelhando no time principal, dentro e fora de campo. O próprio Wesley enumera várias características semelhantes entre adultos e jovens.

“Temos zagueiros que buscam a construção do jogo sempre que possível, laterais participativos na organização ofensiva, volantes divididos entre os quem marcam mais, como primeiros volantes, e outros que fazem o ‘box to box’”, diz Wesley. “O meia também busca sempre entrar na área e fazer boas assistências. No ataque, utilizo dois extremos velozes que atacam o espaço e fazem flutuações entre linhas e um centroavante mais de área”, completa.

O atacante Papagaio, destaque da equipe com nove gols e que já teve chances no time principal, concorda. “São times parecidos em relação ao modelo e estilo de jogo. São equipes com muita técnica, que buscam ficar com a bola e aproveitar as chances. Também fazem marcação agressiva, buscando sempre pressionar o jogador que tem a bola, e controlar a partida”, diz.

O Palmeiras chega à decisão com a melhor campanha do torneio. São sete vitórias, quatro empates e uma derrota no total, além do melhor ataque, com 27 gols marcados, e a defesa menos vazada, com apenas 12 gols sofridos na competição.

Com a formação de dois times por Felipão, um para o Brasileiro e outro para a Libertadores, as oportunidades de escalação dos garotos diminuíram. Mas Papagaio aguarda sua vez. “Posso treinar ao lado de grandes jogadores do elenco, e isso nos deixa mais preparados para a sequência da carreira. Temos de seguir trabalhando com tranquilidade e se preparar para quando a chance surgir.”

O campeão brasileiro enfrentará o São Paulo, que venceu a Copa do Brasil, na Supercopa do Brasil. O vencedor vai ficar com a vaga do Brasil na Copa Libertadores Sub-20 no ano que vem.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.