Daniel Teixeira/ Estadão
Daniel Teixeira/ Estadão

Garoto sortudo vê jogo do Brasil com 'ingresso' de Philippe Coutinho

João Pedro, de 14 anos, recebe ingresso da cota do meia 

GONÇALO JUNIOR E ALMIR LEITE, Estadão Conteúdo

15 de junho de 2015 | 17h57

O adolescente capixaba João Pedro Ferreira, de 14 anos, não conseguiu assistir ao treino da seleção brasileira na tarde desta segunda-feira, no Centro de Treinamentos da Universidad de Chile, em Santiago. A atividade, apenas para quem não jogou os 90 minutos na véspera contra o Peru, foi fechada. Nem por isso ficou triste. Ao contrário, estava exultante. Motivo: conseguiu ver "na faixa" a vitória do Brasil sobre os peruanos por 2 a 1, no último domingo, em Temuco.

João Pedro ganhou um ingresso, dado a ele por um integrante da CBF. O bilhete era da cota do meia Philippe Coutinho. Os jogadores têm direito a alguns ingressos a cada partida, que normalmente destinam a parentes e amigos. Como o jogador do Liverpool não distribuiu toda a cota, foi possível doá-los aos torcedores.

Mas como João Pedro, morador na zona sul de Santiago, conseguiu o seu ingresso de um jogo que ocorreu em Temuco? "Eu fui para lá com vários amigos, integrantes de um time de brasileiros que tem aqui em Santiago. Fiquei na porta do hotel onde a delegação estava, quando o cara apareceu falei que estava representando o Brasil e ganhamos os ingressos".

Além dele, outros quatro amigos foram brindados com ingressos dados pela CBF. Um outro integrante do grupo também teve acesso ao estádio, neste caso com um bilhete dado pela administradora de cartão de crédito que patrocina a seleção.

O time de João Pedro, o Brazuca, é composto só por brasileiros. "Mas eu só treino com eles. Não deixam eu jogar campeonatos porque tenho 14 anos e o resto do time tem de 18 para cima", disse o garoto, que joga na lateral esquerda.

Fã de Neymar, João Pedro mora há um ano em Santiago com os pais e a irmã, a primeira a trocar Vila Velha, na região metropolitana de Vitória, pelo Chile e que trabalha como manicure. Ele afirma residir relativamente perto do CT da Universidad de Chile e vai tentar outras vezes assistir a um treino da seleção. Desde que os professores da rede pública de Santiago continuem greve. "Eu só pude vir aqui porque causa da greve. Se acabar, tenho de ir para a aula", já lamentou João Pedro, que cursa o ensino fundamental.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.