Rodrigo Coca/Agência Corinthians
Rodrigo Coca/Agência Corinthians

Garoto Luciano representa a nova fase do Alvinegro

Atacante que estava no Avaí busca valorização e vira 'modelo' de contratação

Vítor Marques, O Estado de S.Paulo

09 de março de 2014 | 05h00

SÃO PAULO - O Corinthians de 2014 precisa mais de ‘Lucianos’ que de ‘Alexandres Pato’, de novatos no lugar de medalhões. O atacante que marcou quatro gols em dois jogos e virou a “sensação” do time de Mano Menezes representa o novo momento do clube. Hoje ele deve ser titular e estrear em clássicos.

No início do ano houve os primeiros contatos entre empresários do atleta e o Mauro “Van Basten”, o ex-jogador e atual observador do Corinthians. Deram-lhe material e vídeos sobre o atleta, de apenas 20 anos, cujo ponto alto da carreira tinha sido bons jogos pelo Avaí na Série B.

Mauro se interessou pelos “melhores momentos” do jogador. Foi a Santa Catarina e assistiu a dois jogos do Catarinense. Gostou da atuação do jogador e levou a sugestão de contratá-lo à diretoria e à comissão técnica. A contratação foi aprovada. O lado financeiro não foi problema para o Corinthians, que ainda nem pagou pela negociação. Luciano tinha contrato com o Avaí, mas o clube catarinense não detinha mais direitos econômicos do atleta, que pertence a empresa Plus Sport.

Para liberar Luciano antes do término do Estadual, o Avaí recebeu indenização de R$ 200 mil, paga pela empresa que ainda detém a maior parte dos direitos do jogador.

O Corinthians comprou 25% dos direitos econômicos do atleta por valores que giram em torno de R$ 300 mil. E isso será pago ao longo do ano. Em 2015, o clube pode comprar outros 25%, a um preço fixado. O contrato foi assinado por três anos. O salário de Luciano só é maior que o dos jogadores recém-promovidos da base, cerca de R$ 30 mil. Mas o Corinthians já admite dar aumento caso ele se torne importante para o time.

É um tipo de negócio similar ao que foi feito com Paulinho e com outros jogadores que foram contratados com rótulo de promessas. Há cerca de um mês, o presidente Mário Gobbi afirmou que o clube precisa buscar novos jogadores como Paulinho, Jucilei e Castán – todos atletas que custaram pouco, tiveram destaque e renderam um bom dinheiro.

Para não perder o foco, Luciano, que nasceu em Anápolis (GO) e foi relevado pelo Atlético Goianiense, trouxe os pais para São Paulo. Estão vetadas as baladas, garante o empresário Marcos Santos. “Ele não é de noite, de ir à festas, e gosta de ficar em casa e jogar videogame."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.