Rubens Chiri / São Paulo/ 4-11-2018
Rubens Chiri / São Paulo/ 4-11-2018

Garotos aproveitam brecha e ganham moral com Aguirre no São Paulo

Queda de rendimento dos ‘medalhões’ e desfalques fazem uruguaio recorrer a jovens talentos; Helinho é a bola da vez

Renan Cacioli, O Estado de S. Paulo

06 Novembro 2018 | 05h00

O São Paulo campeão do primeiro turno do Campeonato Brasileiro não tinha absolutamente nenhum jogador da base entre os 11 titulares. Já o que patina no returno e vê ameaçada até a posição dentro do G-4 começa a encarar parte da garotada formada em Cotia com outro olhos.

A bola da vez, por motivos óbvios, é Helinho. O atacante de 18 anos entrou no intervalo do jogo contra o Flamengo, no domingo. Era sua estreia entre os profissionais. Passados cinco minutos em campo, acertou um chute no ângulo e marcou o segundo gol tricolor do empate em 2 a 2 que manteve a equipe na quarta posição da tabela, com 57 pontos, apenas dois acima do Grêmio.

"Posso dizer que foi a realização de um sonho de infância. Não foi o resultado que o time queria, mas vamos trabalhar durante a semana para evoluir. Teremos um jogo difícil pela frente, no clássico contra o Corinthians, e queremos um resultado positivo", afirmou o garoto, ao site oficial – a assessoria vetou entrevistas com ele na zona mista depois do confronto.

Não que a partir de agora a safra made in Cotia, como gosta de dizer o clube, terá lugar cativo na equipe de Diego Aguirre. O próprio treinador tratou de frear a empolgação já depois da partida do último domingo.

"O Helinho vai continuar ganhando minutos, mas não podemos de um momento a outro dar a responsabilidade a esses meninos de coisas tão importantes. Vamos com calma. A mesma ansiedade que tem a torcida, eu também tenho. Gosto de botar os meninos, mas temos de ir com cuidado", pediu o comandante uruguaio.

Na verdade, a utilização de Helinho, promovido no fim de setembro ao elenco profissional, teve mais a ver com a queda de desempenho dos "medalhões", o que explica parte da campanha instável do segundo turno, e com os muitos desfalques do time do que com a capacidade técnica acima da média do garoto.

Sim, ele é visto internamente como uma grande promessa, mas dificilmente seria sequer relacionado se Rojas (titular da posição), Everton ou Everton Felipe (que jogam abertos pelas pontas, assim como ele) não estivessem machucados. Ou se o camisa 10 da equipe não atravessasse fase tão ruim aos olhos de Aguirre a ponto de ficar no banco o jogo todo – e há aí, também, um recado claro do treinador a Nenê, que após a partida deixou o Morumbi antes dos demais companheiros, dando mostras de que o ambiente já foi bem melhor e esta renovação promovida pelo técnico não agradará a todos.

Independentemente dos problemas, fato é que Aguirre vai, aos poucos, abrindo espaço no time para a garotada. Luan, por exemplo, tomou posição de ninguém menos que Jucilei e hoje é considerado dono da posição. Liziero também frequentou o 11 inicial por algum tempo e entra em quase todas as partidas. 

E há mais gente chegando, como Igor Gomes e Antony, promovidos junto com Helinho, além de nomes como os de Brenner e Caíque, que já treinam entre os profissionais há mais tempo, mas não conseguem arrumar brecha em virtude da posição em que jogam já ter muita gente na fila. Acabam "emprestados" ao time sub-23 – que ontem se classificou para a final do Brasileiro de Aspirantes ao bater o Coritiba na semifinal.

A diretoria já disse algumas vezes que a versão 2019 do São Paulo não será muito diferente da atual, com reforços pontuais em algumas posições. O que os garotos tentam provar é que talvez nem seja o caso de ir ao mercado com tanto apetite.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.