Marcos de Paula/Estadão
Marcos de Paula/Estadão

Garotos da base do Palmeiras choram no gramado após 'salvação'

Equipe paulista evita o rebaixamento para a Série B por conta de gol do Santos em cima do Vitória depois do apito final no Allianz Parque

Ciro Campos e Daniel Batista, O Estado de S. Paulo

07 de dezembro de 2014 | 21h55

No final da partida a aflição logo deu lugar à emoção dos jogadores. Após o apito afinal no Allianz Parque, demorou mais dois minutos para que o jogo do Vitória acabasse. E foi justamente nesse intervalo de tempo que saiu o gol do Santos, que salvou o Palmeiras.

Se os dois jogos terminassem empatados o Palmeiras se salvaria, mas seria ainda mais sofrido. Por isso, torcedores e muitos atletas tiveram dificuldade para controlar o choro após saberem que o Alviverde estava salvo do rebaixamento.

Os garotos da base pareciam os mais emocionados. Victor Luis e Gabriel Dias foram alguns dos que ficaram no gramado esperando o término da partida, enquanto a maioria correu para o vestiário por receio de que algo ruim pudesse acontecer se o Vitória fizesse um gol. Garantidos na elite, os dois garotos choraram nos braços de Valdivia, que também não segurou as lágrimas.

"Foi um alívio, tiramos um peso das costas. Felizmente deu tudo certo", comemorou Nathan, que saiu machucado.

O atacante Henrique, que marcou o primeiro gol palmeirense no Allianz Parque, disse que o resultado não foi o esperado, mas pelo menos o objetivo maior, que era se manter na elite, a equipe conseguiu.

"Não conseguimos a vitória, mas o importante foi que o Palmeiras conseguiu ficar na Primeira Divisão. Vamos pensar em 2015 para poder colher os frutos e que o Palmeiras possa brigar por títulos."

O artilheiro da equipe no Brasileiro com 16 gols demonstrou bem o sentimento de boa parte dos palmeirenses. "Temos consciência que não fizemos um bom campeonato, mas agora é pensar em se reestruturar. A diretoria está trabalhando para as coisas darem certo no ano que vem."

O lateral João Pedro também estava bastante emocionado. O volante Renato, que teve boa atuação, disse ter ficado aliviado por ter escapado do rebaixamento em seu primeiro ano na equipe principal.

"Claro que comemorar não ter caído não é uma grande coisa, porque temos sempre de brigar por títulos. Mas na verdade, para a gente que está no primeiro ano jogando e convivendo com elogios e críticas, foi um ano especial. Aprendi muita coisa. Não devemos festejar a nossa situação, mas foi um ano maravilhoso pessoalmente", analisou o volante.

Silêncio. Lúcio e Wesley, que foram bastante criticados durante toda a partida - o volante, como havia acontecido na partida contra o Sport na inauguração da arena, foi muito vaiado e xingado ao ser substituído -, resolveram não dar entrevistas depois do jogo.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolBrasileirãoPalmeiras

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.