Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Garotos dão vitória ao Corinthians: 3 a 1

A nova geração do Corinthians deu outra vida ao time no Campeonato Brasileiro. Wilson, 18 anos, e Jô, 16, salvaram a equipe de um desastre, hoje, no Pacaembu. Marcaram os gols da vitória de virada por 3 a 1 sobre o Inter, resultado que mantém o Corinthians na luta por uma vaga na Libertadores de 2004. A torcida corintiana sofreu antes de o jogo começar. Uma pane no sistema elétrico do Pacaembu retardou a partida em 52 minutos. Tempo suficiente para os torcedores xingarem Geninho e aumentar a angústia por um bom resultado. Bola em jogo, e mais sofrimento. Sem Rogério e Gil, machucados, o time dependia de uma boa atuação de Robert e Renato. O problema é que o Inter marcava bem, com cinco jogadores no meio-de-campo e três zagueiros. Robert, apesar da perseguição de Flávio, encaixou o primeiro lance bom do Corinthians: aos 4 minutos, lançou Coelho e se apresentou para receber o passe do lateral-direito. Recebeu e chutou colocado: a bola raspou a trave. Depois só deu Inter, que tomou conta do jogo até o gol de Jeférson Feijão aos 30 minutos, com um chute rasteiro de longe que Rubinho não conseguiu evitar. "O time estava bem até tomar o gol. Depois, se enervou um pouco e perdeu a tranqüilidade. Tudo passa pela tranqüilidade para o Corinthians virar o jogo", disse Geninho. Não eram apenas calma e cabeça no lugar os problemas do time. Havia uma distância muito grande entre os meias Renato e Robert e os atacantes Jamelli e Wilson. Os dois homens de frente não se movimentavam nem criavam alternativas para os meias. Restava a Robert e Renato os cruzamentos na área, todos sem efeitos positivos ao time. No segundo tempo, o Corinthians teria de mudar de atitude. Encarar a desgraça. "Agora é hora de mostrar quem tem caráter", disse Jamelli, pouco antes do reinício da partida. Quem mostrou caráter foi o garoto Wilson. Aos cinco minutos, empatou o jogo aproveitando passe, de cabeça, de Renato. Aos 20, fez o gol da virada ao receber cruzamento de Kléber. Outro garoto que deu vida ao Corinthians foi Jô, "a jóia do Parque São Jorge" como diz Antônio Roque Citadini. Ele entrou no lugar de Renato, machucado, aos 15 minutos. Aos 23, marcou o terceiro gol do Corinthians, no ato final de uma grande jogada de Robert pela esquerda. "O Corinthians estava bem, só faltava sair o gol. Hoje, saiu. Agora vamos rumo ao título", disse Jô.

Agencia Estado,

24 de agosto de 2003 | 20h53

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.