Gasto foi argumento no acerto com MSI

Mesmo declarando ao MP que Boris Berezovski não estava por trás da MSI, o presidente do Corinthians, Alberto Dualib, pode se complicar no futuro. Em agosto, numa reunião com o Conselho de Orientação do clube, o Cori, o dirigente disse que o magnata russo era um homem muito rico e que estava por trás do negócio, pronunciamento gravado por um conselheiro e exibido pela TV Record. Mais tarde, para tentar convencer vários conselheiros, o presidente teria afirmado que o russo tinha muito dinheiro, que tinha recebido a comitiva que viajou a Londres e depois para a Geórgia. E mais: disse a um grupo de conselheiros, entre eles Marlene Matheus, que fazia parte da ala de oposição à parceria, que "eles gastaram US$ 500 mil com agente." Além de Marlene, o vice-presidente de futebol do clube, Roque Citadini, hoje afastado, confirmou a declaração do presidente Dualib.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.