Vitor Silva/Botafogo
Vitor Silva/Botafogo

Gatito se desculpa por chutar cabine do VAR, mas vê 'profissionais despreparados'

Goleiro se revoltou pois o Botafogo teve dois gols anulados com ajuda do recurso tecnológico no jogo com o Internacional

Redação, Estadão Conteúdo

30 de agosto de 2020 | 13h08

O goleiro Gatito Fernández usou as suas redes sociais para pedir desculpas por ter chutado a cabine do VAR no Engenhão após a derrota do Botafogo por 2 a 0 para Internacional, no sábado. No duelo, o time carioca teve dois gols anulados. O jogador, no entanto, criticou os profissionais que operam a ferramenta.

"De cabeça fria, agora, é claro que me arrependo. Não é uma postura da qual me orgulho e não deveria mesmo ter feito isso", reconheceu o goleiro paraguaio, que disse ser favorável à presença do árbitro de vídeo no futebol brasileiro.

Ele reforçou que não teve a "postura correta" ao sair de campo, mas não deixou de manifestar seu descontentamento com os profissionais responsáveis por operar a tecnologia dentro da cabine.

"Sei do meu papel, sei que devo dar exemplos. Mas tudo tem um limite e sequer temos um caminho para tentar fazer com que as coisas melhorem na arbitragem. O VAR chegou para ficar e está ajudando bastante o futebol no Brasil e em todo o mundo. O que não pode acontecer é termos profissionais completamente despreparados para usar tal ferramenta", criticou.

O Botafogo teve dois gols anulados contra o Internacional. O primeiro, marcado por Matheus Babi, foi invalidado após o árbitro de vídeo apontar posição de impedimento no lance.

A anulação do segundo gol, anotado por Bruno Nazário na etapa final, foi a que mais revoltou os botafoguenses. No lance, o VAR chamou à cabine o juiz para rever a origem da jogada. Depois ver o vídeo, o árbitro Thiago Duarte Peixoto entendeu que houve falta de Matheus Babi em Patrick no começo do lance e invalidou o tento, causando a revolta dos jogadores do Botafogo.

"De cabeça quente, e com tudo que todos viram nas decisões da arbitragem, fica quase impossível não esboçar qualquer tipo de reação", ressaltou Gatito. "Os atletas precisam ter o direito de participar desta construção de nova arbitragem no mundo. O que está acontecendo na atualidade não nos satisfaz", concluiu o goleiro.

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Gostaria tentar explicar meu ato de hoje ao chutar a cabine do VAR. De cabeça fria, agora, é claro que me arrependo. Não é uma postura que me orgulho e não deveria mesmo ter feito isso. Sei do meu papel, sei que devo dar exemplos. Mas tudo tem um limite e sequer temos um caminho para tentar fazer com que as coisas melhorem na arbitragem. O VAR chegou para ficar e está ajudando bastante o futebol no Brasil e em todo o mundo. O que não pode acontecer é termos profissionais completamente despreparados para usar tal ferramenta. Novamente, assumo que não tive a postura correta ao sair de campo. Todos sabem do meu caráter e tudo que consegui construir até hoje em minha carreira não foi de um dia para outro. Mas de cabeça quente, e com tudo que todos viram nas decisões da arbitragem, fica quase impossível não esboçar qualquer tipo de reação. Os atletas precisam ter o direito de participar desta construção de nova arbitragem no mundo. O que está acontecendo na atualidade não nos satisfaz. Apenas isso. Vamos seguir trabalhando com todo o esforço para levar ao torcedor nosso melhor. Queremos que outras esferas que fazem parte de um evento tão importante também se preparem com tal responsabilidade. @foto_vitorsilva

Uma publicação compartilhada por Junior Fernandez (@gatitofernandez) em

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.