Giuseppe Cacace/AFP
Giuseppe Cacace/AFP

Gattuso corta Higuaín de jogo do Milan e reforça possibilidade de ida ao Chelsea

Argentino ex-Real Madrid e Napoli vive temporada difícil na equipe, onde está emprestado pela Juventus

Redação, Estadão Conteúdo

20 Janeiro 2019 | 16h33

A novela que envolve o futuro de Gonzalo Higuaín parece estar próxima do fim. O atacante foi cortado pelo técnico Gennaro Gattuso da lista de convocados para a partida do Milan contra o Genoa, válida pelo Campeonato Italiano, nesta segunda-feira, no estádio Luigi di Ferraris, em Gênova. Fato que parece reforçar ainda mais a possibilidade de uma mudança do argentino para o Chelsea.

Em entrevista coletiva de imprensa neste domingo, Gattuso afirmou que o jogador, próximo de se despedir da equipe, "poderia fazer mais". "A partida de Higuaín ainda não é oficial e eu não estou desapontado com ele. Sempre se comportou bem, nos deu drible e fluidez (...), mas ele poderia fazer algo mais e assim poderíamos fazer o nosso melhor. Eu aceito a decisão dele, ele provavelmente poderia ter feito mais e talvez pudéssemos tê-lo ajudado a se integrar melhor", acrescentou, confirmando a provável saída do jogador.

Durante a Supercopa da Itália, em que o Milan perdeu esta semana para a Juventus na Arábia Saudita, Higuain foi reserva e jogou apenas os últimos 20 minutos, mostrando-se muito nervoso em campo.

O ex-jogador do Real Madrid, do Napoli e da Juventus vive uma temporada difícil no Milan, onde está emprestado pela equipe de Turim. Durante semanas, a imprensa especula o grande interesse do Chelsea em aceitar seus serviços.

Vale lembrar que a transferência de Higuain custou 18 milhões de euros (quase R$ 77 milhões) para esta temporada e é acompanhada por uma opção de compra de 36 milhões de euros (quase R$ 154 milhões). Para ir para o Chelsea, a Juventus deverá receber uma compensação financeira significativa, enquanto que o Milan procuraria outro atacante, que de acordo com a imprensa poderia ser o polonês Krzyzstof, do Genoa.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.