John Sibley/Reuters
John Sibley/Reuters

Gattuso enaltece peso de título: 'É como final de Copa do Mundo'

Milan enfrenta a Juventus na decisão da Copa da Itália nesta quarta-feira

Estadao Conteudo

08 Maio 2018 | 17h10

O técnico do Milan, Gennaro Gattuso, destacou nesta terça-feira a importância de poder disputar a final Copa da Itália. "Para a gente tem a mesma importância de uma final de Copa do Mundo", afirmou em entrevista coletiva.

+ Buffon volta a jogar final da Copa da Itália após 19 anos e exalta

O Milan enfrentará a Juventus nesta quarta-feira, às 16 horas (de Brasília), no estádio Olímpico, em Roma. É a oportunidade de a equipe milanesa acabar com a hegemonia da equipe adversária, que busca o tetra consecutivo na competição, e buscar o título que não conquista desde 2003.

"Para vencer a Juventus temos que entrar bastante focados e conhecer bem as características do nosso oponente. Douglas Costa e Cuadrado são grandes dribladores. Precisamos dobrar a marcação em cima deles. Temos que entrar concentrados. A concentração pode fazer coisas inacreditáveis", disse o treinador.

O Milan também terá a oportunidade de buscar a revanche da disputa de 2016, quando perdeu a final por 1 a 0 justamente para a Juventus. Nas outras duas oportunidades, o time alvinegro superou a Lazio nas decisões de 2015 e 2017.

"Sinto muita pressão, por conta dos milhares de torcedores, por conta dos meus jogadores e por todos que estão próximos. É o jogo mais importante da minha carreira. Vamos torcer para que tudo ocorra bem amanhã (quarta-feira", prosseguiu.

Quem também falou nesta terça-feira com os jornalistas foi o zagueiro Leonardo Bonucci, que no início da temporada trocou a Juventus pelo Milan em uma negociação recheada de polêmica. Considerado um dos principais zagueiros do mundo, ele deixou a equipe alvinegra, que então acabara de faturar o hexa do Italiano, por desavenças com o treinador Maximiliano Allegri.

Ao comentar sobre a possibilidade de marcar contra o ex-time, ele foi direto. "Seria uma satisfação pessoal. Nas últimas temporadas, marquei gols importantes, cinco ou seis por ano. Nessa campanha só marquei dois. Mas a prioridade é ajudar o time. O que mais importa é conquistar meu primeiro troféu pelo Milan.

O zagueiro também comparou os dois treinadores. "Ambos são muito atentos na maneira de conversar com os jogadores no vestiário. São muito cuidadosos em selecionar os jogadores que estão em melhores condições de começar em campo. Eles sempre conseguem fazer com que cada jogador se sinta especial", finalizou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.