Gaúchos deram sorte à Seleção

O torcedor gaúcho lembra muito bem do último Brasil x Paraguai realizado em Porto Alegre. Foi há apenas quatro anos e tirou a seleção de Luiz Felipe Scolari de situação bastante difícil nas Eliminatórias para a Copa da Coréia e do Japão, em 2002. Aquela vitória por 2 a 0, por sinal a última diante dos paraguaios, aliviou a ameaça de eliminação e colocou o time perto do Mundial. O Brasil vinha de resultados ruins na ocasião e, caso perdesse, se complicaria na disputa. A equipe ocupava a quarta posição, com 21 pontos, mas concorrentes, como o Uruguai, estavam se aproximando. Os gaúchos lotaram o Estádio Olímpico e incentivaram a seleção desde o primeiro minuto. A atuação esteve longe de ser brilhante, mas a força de vontade dos comandados de Felipão fez a diferença. Os gols foram marcados por Marcelinho Paraíba, eleito o melhor jogador da temporada passada do Campeonato Alemão, e Rivaldo, campeão grego pelo Olympiakos. O jogo ficou na memória do público, também, por um lance polêmico ocorrido após o apito final do árbitro alemão Helmut Krug. O goleiro paraguaio Jose Luis Chilavert cuspiu no rosto de Roberto Carlos. "Ah, houve isso? Não me lembrava", ironizou o lateral-esquerdo, quando perguntado sobre o tema, nesta semana, durante a preparação da seleção, na Granja Comary, em Teresópolis. Chilavert, por causa da atitude, foi suspenso pela Conmebol por duas partidas. Mesmo desajustado tática e tecnicamente, a equipe arrancou rumo à classificação depois daquele triunfo, embora não tenha, em nenhuma ocasião, arrancado suspiros do torcedor. Depois, o Brasil perdeu da Argentina, derrotou o Chile, foi surpreendido pela Bolívia e acabou se garantindo na Copa com vitória por 3 a 0 sobre a Venezuela. Desta vez, o quadro é diferente. A seleção do técnico Carlos Alberto Parreira entrará em campo sem nenhuma pressão, pois está bem perto da Alemanha. Após a partida, faltarão quatro rodadas para o fim das Eliminatórias e só uma combinação extremamente improvável de resultados tirará os brasileiros do Mundial.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.