Gaviões da Fiel suspende torcedores que brigaram com vascaínos em Brasília

Três torcedores ficarão afastados da organizada por tempo indeterminado, enquanto durarem as investigações

O Estado de S.Paulo

30 de agosto de 2013 | 17h12

SÃO PAULO - A Gaviões da Fiel anunciou nesta sexta-feira a suspensão por tempo indeterminado de três sócios que participaram da briga com torcedores do Vasco no último domingo, no estádio Mané Garrincha, em Brasília. Os torcedores punidos são: Leandro Silva de Oliveira, Cleuter Barreto Barros e Raimundo César Faustino.

Oliveira e Barros foram identificados pela reportagem do Estado e estiveram entre os 12 presos em Oruro acusados pela morte do jovem boliviano Kevin Espada, de 14 anos - todos foram soltos por falta de provas. Já Faustino foi flagrado pelo jornal Lance! e é vereador pelo PT em Francisco Morato. Segundo a Gaviões, o trio ficará afastado da organizada durante a apuração dos fatos. A torcida alega que está analisando as imagens do conflito e se mais associados forem identificados serão punidos conforme o estatuto da facção.

A Gaviões também dá a sua versão para a briga. "Infelizmente, no momento do intervalo, no qual estávamos dispersos, uma minoria usou muito mal o livre arbítrio, aproveitando das facilidades do formato do estádio e o novo procedimento adotado no Mané Garrincha de não manter divisão entre as torcidas e entraram em confronto com torcedores vascaínos", diz trecho da nota oficial divulgada no site da organizada.

Proibida de frequentar os estádios do Distrito Federal por dois anos, a torcida pede para que sejam punidos apenas os brigões, e não toda a organizada. "Lamentamos os fatos ocorridos, mas lamentamos também sermos responsabilizados pelos atos de uma minoria que aproveitaram do imaturo procedimento de segurança no interior do estádio."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.