Geninho pode escalar três volantes

O técnico Geninho continua fazendo mistério. No treino de hoje à tarde, experimentou duas fórmulas que poderá usar para suprir a ausência do meia Leandro, que está suspenso por ter recebido o terceiro cartão amarelo. No primeiro tempo do ensaio, escalou o zagueiro César e adorou o esquema tático 3-5-2. Na segunda parte, colocou o volante Fabrício no lugar de César, fortalecendo o meio-de-campo. O treinador não confirma, mas a segunda opção deverá ser a escolhida para o confronto decisivo do Campeonato Paulista. Geninho deixa escapar nas entrevistas, que com três volantes em campo (Fabrício, Vampeta e Fabinho) o time terá mais segurança na marcação aos astros são-paulinos Kaká, Luís Fabiano e Ricardinho e poderá usar com competência a sua arma mais perigosa, os contra-ataques. O esquema com três volantes foi utilizado na vitória por 2 a 1 sobre o Fênix, no Uruguai, pela Copa Libertadores da América. Na ocasião, o time foi muito criticado por ter sido precavido demais. "Mas mostrou muita organização tática e conquistou os três pontos, que foram muito importantes para nós. E não se esqueçam que agora, contra o São Paulo, o Corinthians tem a vantagem de poder jogar pelo empate. Temos de ter calma, não podemos dar chances ao nosso adversário", avisa o treinador. O zagueiro César, que ainda não fez uma partida inteira com a camisa corintiana, sabe que dificilmente será escalado, mas mostra muita satisfação por estar sendo lembrado pelo treinador. César chegou ao Parque São Paulo numa negociação nebulosa. Ele só foi contratado porque o Rennes, da França, clube que detém seus direitos federativos, disse que só liberaria o atacante Lucas para o Corinthians se o clube trouxesse também o zagueiro. Quando chegou ao clube, Geninho apostava no futebol de Capone, que veio do Galatasaray, da Turquia. Como o reserva Marquinhos acabava de se submeter à uma cirurgia no joelho direito, a direção corintiana acabou aceitando a imposição da equipe francesa e fez um contrato com César até o fim do ano. "Tive uma boa atuação no treino e estou à disposição do treinador", avisou César. Fabrício, de atuações elogiadíssima no primeiro semestre do ano passado, caiu em desgraça com a torcida corintiana depois de seu péssimo rendimento no final do ano passado. O jogador ficou ainda mais ´queimado´ com a Fiel Torcida depois de dar um ´presente´ ao atacante Robinho, no segundo gol do Santos na primeira partida da decisão do Campeonato Brasileiro do ano passado. O volante garante que já esqueceu o erro grotesco que cometeu. "Aquilo faz parte do passado. Se eu for confirmado no time, tenho certeza de que vou fazer uma grande partida. O treinador confia no meu futebol e isso é o que interessa", afirma. No treino que o time vai realizar amanhã cedo, Geninho vai experimentar as outras opções que tem para a vaga de Leandro. O meia Fumagalli é uma delas. O jogador será testado para fazer a mesma função exercida pelo titular. Como atua pelo lado direito do ataque e ajuda bastante na marcação, o jogador tem chances de ser o escolhido. A outra alternativa a ser experimentada é Renato. O que pesa contra ele é o fato de ser canhoto. "Com o Renato, ficaria com muitos canhotos no time. E aí, a tendência da equipe é de atacar muito pelo setor, com Kléber, Gil, Jorge Wagner e o Renato", afirma Geninho, deixando claro que esta última alternativa é a que tem menos chance de ser escolhida.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.