Geninho quer mais humildade de Dodô

O técnico Geninho, embora desimulasse, não ficou nada satisfeito com a atitude do centroavante Dodô, que fez questão de tornar pública sua revolta por ter sido substituído por Caio, no jogo em que o Santos derrotou a Anapolina, por 1 a 0, ontem em Anápolis, em sua estréia na Copa do Brasil. Assim, ele procurou evitar que as reclamações do jogador criassem um ambiente de crise na véspera do clássico contra o Corinthians, domingo, pelo Campeonato Paulista. "Foi uma reação normal de quem sai, pois o jogador nunca aceita sair, nunca reconhece que está mal no jogo ou que não está se movimentando como deveria; ele sempre acha que está bem". Admitiu que Dodô estava bem na partida, mas queria uma mobilidade maior depois que o adversário cansou", disse ele, justificando a alteração promovida no segundo tempo. Geninho lembrou que esse problema com Dodô vem há muito tempo. "Não é comigo, é com todo treinador". Acha que ele precisa entender que "é um jogador como outro qualquer" e que "um atleta não sai de campo só quando está mal ou machucado, ele sai por opção tática ou quando o técnico quer uma movimentação diferente". E completou, advertindo Dodô: "é bom que o jogador que gosta de sair nem entre em campo, mas também é certo que o atleta que reclama muito quando sai, daqui a pouco não é escalado". Deixando de lado o problema criado por Dodô, o Santos comemora a interrupção da série de derrotas e espera que a vitória sobre o Anapolina, tenha um reflexo positivo contra o Corinthians. "Será um jogo muito importante para conseguirmos nosso objetivo e nada melhor que vencer um rival como o Corinthians para dar um alívio à Vila Belmiro", disse o lateral-esquerdo Léo. Geninho ficou satisfeito com o rendimento do time em Anápolis: "o Santos voltou a ser o que era no início do ano, buscou o gol o tempo todo e agrediu muito o adversário". O treinador começa amanhã a definir o time para o clássico e, com a boa atuação do meia Renato, autor do gol da vitória, é provável que ele retome sua condição de titular. "O time precisa manter essa pegada no clássico, que será fundamental para a vitória", disse Renato. Pitarelli, que voltou ao time em Anápolis para ganhar ritmo de jogo, pois irá substituir o titular Fábio Costa, suspenso, acha que sua escalação foi proveitosa naquela partida. "Foi bom entrar nessa "fogueira", pois vou estar quente no jogo de domingo". Ele comentou que, no gol do Anapolina, "a bola veio muito rápida", o que não permitiu que ele a segurasse. "O pior é que o adversário pegou o rebote e aí não deu para fazer mais nada".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.