Geninho quer redenção corintiana

O terceiro jogo do Corinthians pelo Campeonato Brasileiro, neste sábado, às 18h, contra o Paysandu, no Pacaembu, é visto pelo técnico Geninho como a grande chance de uma redenção corintiana na competição. Depois de jogar desfalcado na derrota por 3 a 0 para o Atlético-MG, na estréia, e no empate por 3 a 3 diante do Figueirense, em Florianópolis, esta será a primeira vez que o time jogará completo no Campeonato Brasileiro.Além dos reforços de Kléber, Jorge Wágner e Gil, que não atuaram diante do The Strongest, quarta-feira, em La Paz, Geninho confirmou que o time voltará atuar no vitorioso 4-3-3, esquema que tem feito sucesso desde o ano passado, na época de Carlos Alberto Parreira. "A mudança tática de quarta-feira foi só uma circunstância. A situação exigiu. Amanhã, contra o Paysandu, o Corinthians vai contar com todos os seus titulares. E por isso mesmo voltará a atuar no esquema tático de sempre, o 4-3-3".Outra diferença que a torcida deve notar na equipe é na forma como os jogadores devem se aplicar no jogo. Hoje, enquanto os jogadores assistiam a uma fita com as principais jogadas do Paysandu, Geninho sugeriu que o time esquecesse temporariamente a Libertadores e se concentrasse apenas no Campeonato Brasileiro. O treinador acha que a sua equipe deve aproveitar esses três jogos consecutivos nessa competição - Paysandu, Vasco e Inter de Porto Alegre - para melhorar a sua posição no torneio."Sei que não é fácil esquecer a Libertadores. Se você encontrar com qualquer torcedor na rua, ele só quer falar da Libertadores.Todo corintiano quer esse título e nós também", observa o técnico. "Mas existe a necessidade de a gente participar bem do Campeonato Brasileiro. De repente a Libertadores acaba no meio do ano e, com o Corinthians ganhando o título ou não, o Campeonato Brasileiro passará a ser o grande objetivo. Daí a importância de uma recuperação, já".Além da fita com as melhores jogadas do Paysandu, os jogadores assistiram ao teipe do jogo entre Paissandu e Santos.Geninho acha que o time de Dario Pereyra está ainda mais forte do que no ano passado."Com a troca do Wandick pelo Robgol (Róbson, ex-Bahia) o ataque ficou melhor. Mas por outro lado eles perderam o Jóbson, um meia perigoso, de bom arranque pela direita, que vai fazer muita falta. De qualquer forma, é um time que costuma dar trabalho para os grandes. O Corinthians vai precisar jogar muita bola para alcançar os três pontos", imagina o seu treinador.Apesar de o Corinthians ter somado apenas um ponto na competição até agora, Geninho não está nem um pouco assustado com a situação.Comentando com seus jogadores, na concentração, o técnico disse que o time só decepcionou de fato contra o Atlético-MG."Naquele jogo sim, faltou atitude. Mas contra o Figueirense, se a equipe não mostrou um grande futebol, pelo menos teve raça e poder de reação. Isso sem falar que nas duas partidas nós jogamos com desfalques importantes", argumenta Geninho.Amanhã a situação é outra: o time joga completo, vem de uma grande vitória em La Paz e está cheio de confiança. Além do mais nenhum dos times que lideram a competição abriu uma grande vantagem em relação ao Corinthians. Portanto, Geninho raciocina certo ao dizer que sua equipe pode encostrar nos líderes em duas ou três rodadas. "Com os jogadores que possui, ninguém pode duvidar do poder de recuperação dessa equipe.Esse grupo já mostrou que tem um perfil de vencedor", diz o técnico.Entre os jogadores não há dúvida de que o Corinthians vai reagir imediatamente no Campeonato Brasileiro. O atacante Liédson, que tem treinado com uma chuteira cor-de-laranja, afirmou que a reputação da equipe na competição não pode ser avaliada pelos cinco pontos perdidos nas duas primeiras. "Não fizemos um bom começo mas isso não significa que não teremos um bom final", sustenta o artilheiro. Liédson também confirmou que não jogará com a tal chuteira laranja. "Sou um cara discreto".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.