Lucas Uebel/Divulgação
Lucas Uebel/Divulgação

Geromel diz que objetivo do Grêmio é terminar entre os quatro do Brasileirão

Autor do gol contra o Atlético-MG, zagueiro promete time na luta por vaga direta na fase de grupos da Libertadores

Estadão Conteúdo

03 Novembro 2018 | 20h30

O Grêmio se recuperou rápido da eliminação na semifinal da Copa Libertadores ao vencer o Atlético-MG por 1 a 0, em Belo Horizonte, neste sábado, pela 32.ª rodada do Campeonato Brasileiro. O resultado manteve o time comandado pelo técnico Renato Gaúcho vivo na briga por uma vaga no G4 e entrar na fase de grupos da competição sul-americana em 2019.

Autor do gol da vitória e o principal jogador em campo, o zagueiro Pedro Geromel acredita que o resultado diante de um concorrente direto mostra a força do elenco tricolor. "É mérito de todo mundo. Fizemos uma partida complicada na terça-feira, mas conseguimos mostrar a força do grupo. Temos muitas aspirações no campeonato. Nosso foco é entrar no G4 para conseguir a vaga pelo Brasileirão", afirmou o defensor.

Na quinta colocação com 55 pontos, o Grêmio fica na torcida por um tropeço do São Paulo neste domingo diante do Flamengo, no estádio do Morumbi, na capital paulista, para que a distância do G4 fique em apenas um ponto.

Renato Gaúcho teve que explicar porque deu oportunidades a alguns jovens como Matheus Henrique e Jean Pyerre, que começaram jogando, e depois com Pepe e Thonny Anderson, que aturam no segundo tempo. "São garotos de boa condição técnica e que não sentem o peso da camisa".

Também foi inevitável não comentar a esperada decisão da Conmebol sobre o recurso do Grêmio a respeito da atuação irregular do técnico do River Plate, Marcelo Gallardo, na semifinal da última terça-feira. O time gaúcho quer a vaga por isso e Renato Gaúcho também. "Se a entidade quiser ter credibilidade precisa por o Grêmio na final porque houve uma irregularidade clara. Se for uma decisão esportiva, vai dar Grêmio, mas se for política, então estamos perdidos".

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.