Gérson Magrão quer se firmar na lateral do Cruzeiro

O meia Gérson Magrão não via com bons olhos a opção do técnico Adilson Batista de improvisá-lo na lateral-esquerda do Cruzeiro. Mas isso mudou nos últimos três jogos, nos quais o jogador assumiu a condição de titular na posição e vem se dando bem. Contra o Democrata, inclusive, marcou o gol que abriu o caminho para a goleada por 7 a 0. Agora, Magrão não quer mais saber de voltar para o meio-de-campo.

AE, Agencia Estado

31 de março de 2009 | 20h41

"Fiz três jogos seguidos na lateral, mas estou me adaptando ainda. Espero corresponder à altura, aprimorar cada vez mais na marcação e no apoio para ajudar o Cruzeiro", disse nesta terça-feira o meia, que antes disputava posição com Wagner no setor de armação da equipe. "Quero agarrar essa oportunidade para que eu possa me firmar na lateral."

Se antes Adilson Batista já havia improvisado Gérson Magrão na lateral por opção, desta vez a decisão foi por necessidade. Além do titular Fernandinho, que realizou uma cirurgia no joelho esquerdo e só deve voltar em oito meses, o argentino Sorín também se lesionou e vem desfalcando o time. Assim, o Cruzeiro ficou sem substitutos para a ala esquerda.

Para Magrão, seu desempenho na lateral tem sido melhor do que no meio-de-campo. "Dos três gols que fiz, em dois eu estava atuando na lateral. Ali é onde estou me saindo um pouquinho melhor, porque é onde o Adilson vem me dando um pouquinho mais de liberdade. O meio é muito congestionado, acho que na lateral eu pego a bola com um pouco mais de espaço", disse o jogador.

No confronto de volta pelas quartas-de-final do Campeonato Mineiro, contra o Tupi, neste sábado, Gérson Magrão deve atuar mais uma vez como titular. E o novo lateral-esquerdo do Cruzeiro pede atenção na partida em Juiz de Fora. "Temos que ficar preocupados e atentos aos 15 minutos iniciais porque eles vão vir bastante para o ataque. Sabemos que esse 1 a 0 é uma vantagem, mas caso o jogo vire 1 a 0 (para o Tupi) pode complicar", avisou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.