Ricardo Saibun/Divulgação
Ricardo Saibun/Divulgação

Geuvânio exalta volta do bom futebol após 'fase difícil'

Chegada de Enderson Moreira deu novo ânimo ao jogador do Santos, que voltou aos planos e tem se destacado nos últimos jogos

SANCHES FILHO, Estadão Conteúdo

29 Setembro 2014 | 18h41

Um dos maiores destaques do último Campeonato Paulista e eleito revelação da competição, Geuvânio teve uma queda tão rápida quanto sua ascensão no Santos. Se no início do ano ele conquistou a titularidade e se tornou um dos melhores jogadores da equipe, após o vice estadual, com a surpreendente derrota na final para o Ituano, caiu de produção, perdeu espaço e sequer vinha ficando na reserva.

Mas a chegada de Enderson Moreira deu novo ânimo ao jogador, que voltou aos planos do Santos e atuou nas últimas duas partidas com destaque, marcando um gol em cada uma delas. "To me sentindo bem, o professor me deu oportunidade depois do jogo contra o Atlético-MG, ele me colocou de titular, agarrei a oportunidade e quero dar sequência", disse nesta segunda-feira.

Geuvânio entrou no segundo tempo da derrota por 3 a 2 diante do Atlético-MG, quinta-feira passada, e foi titular e um dos melhores em campo na vitória por 2 a 0 sobre o Goiás, no domingo. "Quando a gente fica sem jogar, fica ansioso. Sempre tive uma vontade enorme, quando a oportunidade apareceu eu entrei com garra."

Agora o jogador de 24 anos espera voltar aos melhores dias e não quer nem lembrar do momento difícil. "Foi um momento meio difícil, mas nunca deixei de trabalhar. Sempre treinei porque sabia que ia voltar. Foi um momento difícil sim, mas não o pior. Ter sido emprestado (ao Jabaquara, em 2010) foi ruim, correr o risco de não ser profissional... Estar na reserva foi importante, amadureci bastante."

Geuvânio admite que o lado psicológico teve bastante peso nesta queda de produção, mas garante estar preparado para voltar a ser protagonista no Santos. "Em relação à queda de rendimento, é normal, acontece, muitas pessoas passam por isso. Sempre mantive a cabeça no lugar porque não desaprendi a jogar. Tem que treinar forte, não pode dar mole. O que o Enderson faz é bom, importante, ninguém se acomoda", avaliou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.