Ricardo Saibun/Divulgação
Ricardo Saibun/Divulgação

Geuvânio relaciona bom início de ano no Santos a treinos nas férias

Jogador tem também outro motivo para estar satisfeito: há poucos dias, ele foi chamado pela diretoria do clube e teve aumento salarial

SANCHES FILHO, O Estado de S. Paulo

02 de fevereiro de 2015 | 20h05

As longas conversas com o auxiliar técnico Luiz Fernando Rosa e os conselhos dos preparadores físicos do Santos levaram Geuvânio a trocar as viagens e as diversões nas férias por preparação em academia em São Paulo e trabalho com um personal training. Essa foi a explicação que o autor de dois na vitória por 3 a 0 do Santos contra o Ituano, domingo na Vila Belmiro, pela primeira rodada do Campeonato Paulista.

"Estou colhendo os frutos do meu trabalho. Abri mão de curtir e de descansar para em preparar para começar bem 2015. Consegui render bem e fazer os gols porque estava leve para jogar", disse Geuvânio. A preparação que o atacante fez nas férias foi para fortalecer a musculatura das coxas. "O que me atrapalhou no ano passado foi a contusão que eu sofri no músculo do chute da coxa esquerda", explicou.

A diretoria que entregou o clube em estado de penúria em 1.º janeiro de 2015 vendeu 35% dos direitos de Geuvânio (e de Gabriel e Daniel Guedes também) em segredo, no apagar das luzes, ao fundo de investimento maltês Doyen Sports. A nova administração, além de correr para quitar dívidas, reduziu em 23% a folha do futebol e planeja recomprar, em breve, os 35% dos direitos para voltar a ficar 70%, prevendo uma lucrativa transferência para o exterior.

Em 2014, Geuvânio foi o melhor jogador santista, com sete gols e 11 assistências, além de ter sido eleito a revelação do Campeonato Paulista. A sua performance no Estadual só não foi perfeita por causa da crise de choro que ele teve ao sair de campo após a vitória por 3 a 2 de virada contra a Penapolense e a queda de produção nos dois jogos da decisão contra o Ituano.

"Já falei sobre isso. Na ocasião chorei por causa da minha família que estava presente, num momento especial. Pensei em tudo o que passei e com eles presentes lá desabafei mesmo. Precisava daquilo. Para mim não foi nada de pressão, minha família estava comigo e precisava desabafar mesmo porque a minha vida nunca foi fácil. Depois cai de produção por causa da contusão".

Além dos dois gols, do bom futebol que mostrou na estreia e de sentir bem física e tecnicamente, Geuvânio tem outro motivo para estar satisfeito. Há poucos dias, ele foi chamado pela direção do Santos e teve um aumento salarial. "Tive uma conversa com Dagoberto (Fernando dos Santos, diretor-executivo do clube) e ele resolveu aumentar o meu salário. Fico feliz pelo reconhecimento que tiveram comigo", finalizou Geuvânio, que soma 61 jogos pelo Santos, com 16 gols marcados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.