Gil e Anderson juram inocência

O atacante Gil e o zagueiro Anderson, protagonistas dos lances mais polêmicos na vitória do Corinthians sobre o Brasiliense por 2 a 1, quarta-feira, no Morumbi, pela decisão da Copa do Brasil, juram inocência. Afirmaram que não cometeram nenhum tipo de irregularidade que justificasse a reclamação do time do Distrito Federal pelo resultado da partida. Ao jogador Gil foi atribuído uma falta no zagueiro Thiago no lance que deu origem ao gol da vitória, marcado por Deivid aos 34 minutos do segundo tempo. Quatro minutos depois, o Brasiliense reclamou de um pênalti de Anderson em Carioca, que poderia ter decretado o empate, com a vantagem para o time visitante, que, nesse caso, teria feito dois gols fora de casa. Anderson e Gil passaram a amanhã de hoje no Parque São Jorge explicando, nas entrevistas, que as jogadas haviam sido normais. "Eu não fiz falta no zagueiro", garantiu Gil. "Não vi o teipe do lance, mas posso jurar que a jogada foi legal. Eu e o zagueiro (Thiago, camisa 3 do Brasiliense) fomos para a disputa olhando para o alto. Eu senti que a perna dele bateu na minha.Foi isso mesmo. Ele tropeçou. Eu não o empurrei, não", afirmou o atacante do Corinthians. "Olhei para o bandeirinha, porque pensei que ele iria marcar impedimento. A jogada seguiu e fui em direção a área. Passei por mais um adversário, e fiz o passe para Deivid, que me acompanhou e pediu a bola", explicou Gil. O zagueiro Anderson disse que ficou surpreso com a reclamação do time do Brasiliense e com alguns comentários da imprensa sobre uma possível irregularidade na disputa com Carioca aos 38 minutos do segundo tempo. "Não houve pênalti.Quando ele entrou na área com a bola, fui com mão levantada, porque eu estava desequilibrado. Mas não o empurrei. Não fiz falta. Eu havia anteriormente levado o cartão amarelo. Sabia que se eu fizesse falta ali, seria pênalti e ainda poderia ter sido expulso. E tem mais: o adversário estava indo em direção a linha de fundo. Não era necessário fazer a falta", afirmou Anderson. O técnico Carlos Alberto Parreira evitou entrar na discussão sobre o lances duvidosos da partida. O treinador não achou que a atuação da equipe quarta-feira tivesse frustrado a expectativa da torcida, que contava com uma vitória sem problemas."Eu sempre disse que a partida contra o Brasiliense seria difícil.Mesmo assim conseguimos o objetivo: ir a Brasília com vantagem. Não vamos jogar pelo empate, mas é uma vantagem importante em um jogo decisivo", avaliou o treinador. A preocupação de Parreira agora é recuperar a energia do time para a grande final do Torneio Rio-São Paulo contra o São Paulo, domingo, no Morumbi. Beneficiado pela vitória por 3 a 2 na primeira partida, a equipe do Parque São Jorge joga pelo empate. O técnico deverá repetir a escalação da última partida. Seu plano é manter o esquema ofensivo, mesmo sabendo que o adversário deverá jogar no ataque. O meia Ricardinho, que se recupera de uma inflamação das amígdalas, não deverá desfalcar a equipe. Hoje, pela manhã, os jogadores do Corinthians novamente foram submetidos ao trabalho de imersão no gelo, como relaxamento muscular, para eliminar o resíduo de ácido láctico no organismo. Os atletas estão com atividade intensa. Amanhã pela manhã eles treinam no Parque São Jorge, e à noite irão para a concentração em um hotel nos Jardins. Na segunda-feira, que seria a folga, a delegação viajará no fim da tarde para Brasília, visando outra decisão, quarta-feira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.