Lucas Merçon/Divulgação
Lucas Merçon/Divulgação

Gilberto agradece confiança de Abel Braga: 'Me sinto à vontade'

Lateral do Fluminense elogia ambiente no novo clube depois de ter saído do Vasco no fim do ano passado

Estadão Conteúdo

19 de fevereiro de 2018 | 17h46

O lateral-direito Gilberto trocou o Vasco pelo rival Fluminense em 2018 e, por enquanto, tem deixado feliz a torcida do novo clube. Na avaliação do jogador, um dos responsáveis pelo bom momento dele, que marcou duas vezes na goleada de 5 a 0 sobre o Salgueiro pela segunda fase da Copa do Brasil, é o técnico Abel Braga, que já havia o treinado no Internacional, em 2014.

+ Presidente do Vitória promete punir atletas

+ Marcos Rocha se diz ansioso por estreia em dérbi

"Me sinto à vontade com ele como treinador, ele me passa muita confiança. A gente já havia trabalhado junto, por isso ele apostou em mim esse ano. Antes de começar o jogo, ele sempre me fala para jogar solto, jogar leve, que é o mais importante", disse o lateral em entrevista coletiva nesta terça-feira.

Sobre o próximo compromisso, a estreia na Taça Rio, o segundo turno do Campeonato Carioca, marcada para a tarde da próxima quarta-feira, diante do Bangu, no estádio de Moça Bonita, Gilberto destacou o forte calor que deve desgastar os jogadores na partida, mas para o qual, segundo ele, a equipe está preparada.

"Sabemos que é um jogo complicado e como é o estádio de Moça Bonita: calor muito forte, jogo à tarde. A gente vem se preparando muito para isso, fisicamente e psicologicamente. A equipe do Bangu vai vir muito forte para mostrar o potencial individual de cada jogador, então, temos que estar bem preparados", afirmou o dono da camisa 2. "A gente tem que se adaptar rápido ao estádio em que vamos jogar. Estamos em um clube grande, de muito respeito, então a gente se adapta fácil a essas adversidades", completou.

Lateral de característica ofensiva, que sobe muitas vezes ao ataque, Gilberto tem focado exaustivamente nas finalizações nos treinamentos. No Fluminense, ele tem atuado como ala, com liberdade para atacar e aparecer como "homem-surpresa" na área do adversário.

"Mesmo sendo um jogador de característica ofensiva, tinha mais responsabilidade na defesa porque sempre joguei na linha de quatro. Sei que tenho que treinar mais finalização, porque lateral geralmente se preocupa em treinar cruzamento e parte defensiva, poucas vezes a gente faz treino de finalizações. Esse ano, tenho me empenhado nisso e terei mais chances de fazer gols", contou o lateral de 24 anos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.