Gilberto Silva avalia críticas e foca carreira na Copa de 2010

'Eu estava mesmo fora de ritmo, já que não estava jogando no Arsenal', admite o volante do Panathinaikos

Mohamad Hosn, EFE

27 de dezembro de 2008 | 10h20

Depois de um ano conturbado, no qual foi contestado na seleção brasileira e acabou se transferindo de um dos clubes mais poderosos da Inglaterra para o modesto futebol grego, o volante Gilberto Silva avalia as críticas que recebeu em 2008 e foca sua carreira ao Mundial de 2010."Meu foco é chegar bem à Copa do Mundo, esse é o principal objetivo da minha carreira agora. É lógico que ainda falta muito tempo, em um ano e meio muita coisa pode acontecer. Mas o importante agora é que eu continue me preparando bem para a África do Sul", disse o jogador. Para que possa disputar sua terceira Copa, Gilberto Silva sabe que precisa se manter em forma, e afirma que por isso decidiu deixar o Arsenal para assinar um contrato de três anos com o Panathinaikos, da Grécia."Essa mudança de clube foi boa, meu deu mais motivação, e no Panathinaikos eu jogo com freqüência, o que é muito importante. Se tivesse ficado no Arsenal teria poucas chances de jogar e seria difícil manter meu lugar na seleção", afirmou.O volante brasileiro também avalia neste fim de ano as críticas que recebeu por suas últimas atuações pela seleção, e aponta a falta de oportunidades no clube inglês como um dos principais motivos de sua irregularidade em campo."Procurei entender as críticas, até porque eu estava mesmo fora de ritmo, já que não estava jogando pelo Arsenal. E busquei analisar o que a imprensa brasileira falava para tirar algum proveito e melhorar. Um dos principais motivos foi o fato de não jogar pelo Arsenal, porque sem ritmo de jogo fica muito mais difícil de atuar pela seleção", indicou.A saída do clube inglês, onde conquistou cinco títulos - incluindo o do Campeonato Inglês - e disputou uma inédita final de Liga dos Campeões, foi difícil para Gilberto Silva, que não entendeu os motivos que o levaram ao banco de reservas após ter chegado a ser escolhido como capitão da equipe."Fiquei chateado como as coisas aconteceram comigo no Arsenal. Em um momento você tem tudo, e no outro dia acorda sem nada. Foi isso que aconteceu comigo depois de conquistar a Copa América de 2007, na Venezuela", afirmou."Estava no Arsenal há cinco anos, era o capitão da equipe, jogava praticamente todas as partidas, e de repente tudo mudou. Mas tirei uma lição muito importante disso tudo, e sei que posso dormir tranqüilo, porque, mesmo discordando, sempre respeitei a decisão do treinador, trabalhei duro e fiquei ao lado dos outros jogadores do clube", declarou.Para superar o difícil ano de 2008, o volante diz que contou com a ajuda de sua família, e decidiu trabalhar duro nos treinamentos para manter a forma física. "Minha família e meus amigos foram muito importantes para mim esse ano, e todos me apoiaram muito. Eles até sentiram o peso das críticas mais do que eu, porque estou acostumado com as cobranças e eles não", afirmou.Agora, Gilberto Silva espera continuar mantendo o bom momento no futebol grego, para que possa se preparar para a disputa da Copa de 2010. "A adaptação foi um pouco difícil, mas já estou me sentindo bem melhor. A equipe está jogando bem, conseguimos nos classificar em primeiro na chave de grupos da Liga dos Campeões e brigamos pela ponta da classificação no Campeonato Grego. Agora, eu preciso continuar trabalhando forte para que esteja jogando em um alto nível pelo menos até a Copa da África do Sul", concluiu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.