Djota Carvalho/PontePress
Djota Carvalho/PontePress

Gilson Kleina não faz mistério e Ponte Preta tem time pronto para pegar Palmeiras

Única alteração na equipe será o retorno de Fernando Bob, que estava suspenso contra o Santos

Estadão Conteudo

14 de abril de 2017 | 19h14

Por mais que o técnico Gilson Kleina tente fazer mistério, não abra os treinamentos e se diz esperançoso em contar com dois jogadores machucados - o meia Renato Cajá e o lateral-direito Nino Paraíba -, a Ponte Preta já está definida para enfrentar o Palmeiras, neste domingo, às 16 horas, no estádio Moisés Lucarelli, em Campinas (SP), pelas semifinais do Campeonato Paulista.

Não há surpresas, tanto na escalação como também no esquema tático. A única mudança em relação ao time que eliminou o Santos, na última segunda-feira, é a volta do volante Fernando Bob. Ele estava suspenso com três cartões amarelos e volta no lugar do experiente Wendel, que está com seu condicionamento físico abaixo do restante do grupo.

"Quando o Kleina me perguntou se eu aguentava o jogo contra o Santos, eu disse que iria até quando desse. E fui até metade do segundo tempo", revelou Wendel. Desta forma, o tripé de meio de campo vai continuar com três volantes: Fernando Bob, Jadson e Elton.

A defesa vai ter quatro jogadores, inclusive com laterais defensivos. Jeferson, pela direita, e Reynaldo, que é zagueiro, improvisado pelo lado esquerdo. No ataque, Lucca e Clayson pelas beiradas e fazendo o vai-e-vém, e William Pottker bem na frente para confirmar a fama de goleador. Ele é o artilheiro do time com oito gols, seguido por Lucca, com seis. Eles só ficam atrás de Gilberto, que marcou nove gols pelo São Paulo e lidera a artilharia do Paulistão.

Este reforço no sistema de marcação é tido como fundamental neste momento, tanto que, além de Wendel, o técnico vai ter outro volante como opção no banco de reservas: Matheus Jesus. Recuperado de uma pequena cirurgia na mão, ele voltou a treinar com uma proteção e está pronto para jogar. Jesus foi titular durante boa parte da competição.

TREINO FECHADO

Houve treino nesta sexta-feira no Centro de Treinamento do Jardim Eulina, em Campinas, mas fechado à imprensa. Um técnico-tático, além de jogadas ensaiadas com bola parada (escanteio e falta), além de cobranças de pênaltis. Tanto Renato Cajá como Nino Paraíba, ambos com lesões musculares, não treinaram, ficando apenas no departamento médico.

Gilson Kleina não falou com a imprensa e deixou a entrevista coletiva para este sábado após o treino marcado para o Moisés Lucarelli, a partir das 10h30, com portões abertos, inclusive, para a torcida. Será apenas um rachão. Mais um forte indicativo de que o time já está definido e pronto para largar na frente nestas semifinais.

Os ingressos continuam sendo vendidos. A procura foi pequena neste feriado, mas deve se intensificar neste sábado. Restam pouco mais de mil ingressos e há muitas reclamações com a ação de cambistas. A expectativa é para um público entre 15 e 17 mil torcedores, apesar da capacidade máxima do estádio ser de 19.221 torcedores. Há uma reserva técnica solicitada pela Polícia Militar por questão de segurança.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.