José Patrício/Estadão
José Patrício/Estadão

Gilson Kleina não quer deixar o Palmeiras exposto

Na vitória por 3 a 2 sobre a Ponte Preta, o time deixou espaços para o adversário

O Estado de S. Paulo

17 de março de 2014 | 05h00

SÃO PAULO - Se o quarteto formado por Bruno César, Valdivia, Leandro e Alan Kardec deixou Gilson Kleina satisfeito, o treinador admite que é preciso encontrar um balanço defensivo para manter a formação nos próximos jogos. Na vitória por 3 a 2 sobre a Ponte Preta, o Palmeiras deixou espaços para o adversário mesmo tendo Eguren e França, volantes predominantemente marcadores, no meio de campo.

É justamente no meio que se concentram as maiores dúvidas do treinador. Kleina admite que precisa estudar uma forma de não deixar a equipe enfraquecida defensivamente – ele ainda espera o retorno de Wesley para estruturar o setor. Seu receio é que o time fique muito ofensivo e acabe se tornando vulnerável, por isso os volantes exercerão papel fundamental.

"Tenho de ver de que forma esses volantes jogarão. Às vezes podemos adiantar a marcação, mas, se não encaixar, acaba expondo a zaga. Por outro lado, se eu segurar, pode ficar muito espaçado", disse o técnico. "É isso o que tenho de trabalhar. O Bruno (César) pode ajudar na recuperação da bola, o Valdivia fez isso hoje (sábado). Se der uma sequência, o time vai crescer muito."

Apesar das ressalvas, Kleina vê com bons olhos a manutenção do "quadrado mágico" no futuro. Ele acredita que pode colher bons frutos caso consiga balancear o esquema. "Se conseguir criar os mecanismos para ter o time mais bem postado e eliminando o contra-ataque, terei uma equipe muito forte", ponderou o treinador, que deverá ter a volta de Wesley no jogo contra o Santos.

Tudo o que sabemos sobre:
PalmeirasGilson Kleinafutebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.