Gioino chega e pede a camisa 9

O atacante argentino Sergio Gioino - que estava no Universidad de Chile - foi apresentado no final da manhã no Parque Antártica como o mais novo reforço do Palmeiras para o Campeonato Brasileiro de 2005. Cauteloso nas declarações, o argentino disse que está muito feliz por defender uma grande equipe do Brasil e que seu primeiro objetivo será lutar para ser titular. Apesar disso, já fez um pedido à diretoria. Quer usar a camisa 9. ?Eu sempre usei a 9. Estou acostumado?, justificou ele, para em seguida, voltar à cautela. ?Defender o Palmeiras é uma grande oportunidade na minha carreira e eu tenho de aproveitar. Primeiro preciso trabalhar, ganhar um lugar no time e depois pensar na camisa e nos gols?, disse O jogador passou longe da polêmica ao comentar a polêmica de racismo envolvendo o seu compatriota Leandro Desábato (Quilmes) e Grafite (São Paulo). Ele garante que não chegou a temer em jogar no Brasil, país que poderia olhar argentinos com certa prevenção. ?Isso não me preocupa. Recentemente joguei duas partidas contra o São Paulo (pela Libertadores) e não tive nenhum problema. Na verdade, não é minha característica me envolver em problemas com colegas e adversários?, garantiu. NÚMEROS POSITIVOS - Os números estão a favor da dupla, que espera reverter a baixa produção ofensiva da equipe na temporada - 43 gols em 26 jogos, com média de apenas 1,65 por partida. Washington foi às redes 12 vezes em 12 jogos - oito pela Portuguesa e quatro pelo Americano. "Sei que o ambiente no clube é de pressão, temos de matar um leão por dia, mas estou tranqüilo", comentou o atacante, entusiasmado por poder atuar na Taça Libertadores. "É um campeonato que há dois ou três anos eu nem sonhava disputar." Gioino garante que já marcou cerca de 130 gols em oito anos e meio como profissional - na Argentina, atuou apenas em times amadores - e está certo de que a passagem pelo Palmeiras é um marco na carreira. "O futebol brasileiro é um dos melhores do mundo", diz. "Gosto de desafios e este é um grande desafio para mim." Torcedor do River Plate - sonha um dia em jogar pelo clube -, o argentino prevê um duelo interessante com o compatriotas Sebá e Tevez, nos clássicos contra o Corinthians - o primeiro jogo está marcado para o dia 10 de julho. "Eles são grandes jogadores. Independente da nossa disputa particular, vou lutar para que o Palmeiras vença esse jogo especial", projetou. WASHINGTON - Além de Sergio Gioino, a diretoria do Palmeiras apresentou também o centroavante Washington, que estava na Portuguesa. "É a realização de um sonho. Estive no clube há dez anos (morou no alojamento que ficava sob as arquibancadas do Centro de Treinamento), mas volto numa condição melhor e confiante de que posso ajudar o time", afirmou Washington, que jogou no juvenil do Palmeiras quando tinha 15 anos, mas não foi aproveitado. "Rodei muito para chegar até aqui", disse o atacante, que chegou a atuar na Grécia e na China.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.