Sergei Karpukhin/Reuters
Sergei Karpukhin/Reuters

Giroud minimiza jejum de gols pela França: 'Se eu for campeão, está ótimo'

Atacante ainda falou sobre o a relação com Thierry Henry, ídolo francês que atualmente está na comissão técnica da Bélgica

Glauco de Pierri, enviado especial/Moscou, O Estado de S.Paulo

08 Julho 2018 | 08h10

Em alta com o técnico Didier Deschamps, mesmo sem ter feito nenhum gol até agora na Copa do Mundo da Rússia, o atacante Olivier Giroud conversou com a imprensa na manhã deste domingo, em Istra, cidade onde a seleção da França se prepara para o confronto contra a Bélgica, terça-feira às 15h (horário de Brasília), pela semifinal do Mundial. "Se eu não fizer nenhum gol, mas a França for campeã, para mim seria ótimo. Eu seria campeão do mundo da mesma forma."

+ Seleção brasileira desembarca no Rio com Tite e sete jogadores

+ Após perder pênalti em queda russa, Mário Fernandes se desculpa com colegas

+ Quem vai sobrar? Maioria da seleção brasileira atual deve estar apta para 2022

O atacante falou muito sobre a presença de Thierry Henry, o maior artilheiro da história da França, na comissão técnica da Bélgica - há alguns anos, Henry criticou muito o atual camisa 9 francês. "É estranho vê-lo contra nós. Ele tem a sorte de fazer parte de uma geração de jogadores muito boa. Está lá para aprender também, progredir como treinador. Ele é uma lenda viva do futebol francês, eu tenho muito respeito pelo o que ele fez, mas nós não vamos pensar muito nisso, estamos focados em nos preparar bem para esse jogo. Eu sei que ele falou algumas coisas há alguns anos, mas ele já mudou suas palavras. Enfim, vamos tentar mostrar para 'Titi' que ele escolheu o lado errado", afirmou.

Sobre o seu jejum de gols, o atacante disse não ligar muito e afirmou que apenas tem feito o que o técnico Didier Deschamps pede para ele. "Se vencermos a Bélgica, se formos os campeões e eu não fizer nenhum gol, não vou fazer nada. Eu seria campeão do mundo do mesmo jeito, não me importo", apontou. "Estou tentando abrir espaços para meus companheiros, tentando jogar por eles. Participei de três gols de forma concreta, não estou frustrado", completou.

Sobre o jogo contra a Bélgica, Giroud afirmou que trata-se de um clássico. "Há uma grande rivalidade, é um clássico, então este jogo será uma partida especial. Os belgas jogam um futebol muito bom, será uma partida aberta, um bom jogo para ver. Também será uma batalha tática", disse.

 

Giroud jogará contra o colega de clube e ótimo goleiro Courtois, com quem atua no Chelsea. "Pode perguntar para ele... Marquei alguns gols nele nos treinamentos", brincou

Em relação ao fato de ser um dos mais experientes do grupo, com 31 anos e 79 convocações para a seleção, Giroud brincou. "Eu me sinto muito bem com essa turma mais nova, me sinto como um irmão mais velho. Falo algumas coisas, eles prestam atenção. Eu não sou tão bom quanto eles para jogar Fifa no videogame, mas nos divertimos como crianças quando estamos juntos", finalizou.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.