Giulite Coutinho defende Pelé na CBF

O ex-presidente da Confederação Brasileira de Futebol Giulite Coutinho defendeu firmemente nesta quarta-feira o nome de Pelé como candidato à presidência da entidade, na eventualidade da realização de uma eleição antecipada, no início de 2002, para a sucessão de Ricardo Teixeira, como prevê o ministro do Esporte e Turismo, Carlos Melles. De acordo com Giulite, somente Pelé seria capaz hoje de obter o apoio dos clubes da Primeira Divisão e de parte dos presidentes de federações para administrar a CBF num "período de transição".Giulite comandou a entidade de 1980 a 1985 e foi o responsável pela construção do centro de treinamento de Teresópolis, a luxuosa concentração da seleção brasileira na região serrana do Rio. "Deixei a direção da CBF com US$ 2 milhões em caixa", declarou o ex-dirigente, empresário do setor de exportações e que mantém um escritório no centro do Rio. Durante sua gestão, os campeonatos nacionais apresentaram média de público de 22 mil pessoas por jogo e seleção formou um grande time para a disputa da Copa de 1982, na Espanha.O ex-presidente da CBF chegou a ser sondado por senadores para prestar depoimento na CPI do Futebol, mas argumentou que não teria o que acrescentar, por desconhecer contratos atuais da entidade e a forma de gestão de Teixeira. "Prefiro me manter afastado de tudo isso, por uma questão de reserva moral."Dos atuais dirigentes em evidência no futebol do Brasil, Giulite cita outro que também destoaria da maioria: trata-se do presidente do Fluminense, David Fischel, com quem se encontrou recentemente. "Ele faz uma boa gestão no clube, é inteligente e tem o perfil de uma pessoa íntegra." O atual mandato de Ricardo Teixeira na CBF - o quarto consecutivo - vai até o fim de 2003. Se em função das acusações que lhe são atribuídas, ele renunciar ao cargo até o fim deste ano, a entidade teria de convocar novas eleições, por que Teixeira não haveria cumprido metade do mandato. Se sair do comando a partir de janeiro, passaria o cargo ao vice-presidente para assuntos da Região Nordeste, José Sebastião Bastos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.