Gléguer: a segurança no gol da Lusa

Em meio a reformulação radical a que o elenco da Portuguesa foi submetido, o técnico Dario Pereyra só não se mostra preocupado com uma posição: goleiro. Apesar de duas derrotas em quatro jogos disputados no Campeonato Paulista, o treinador tem de agradecer os "milagres" que Gléguer tem feito à frente do gol da Portuguesa. A boa fase já vem desde o ano passado, apesar de o time não ter rendido o esperado na Série B do Campeonato Brasileiro."Quando se adquire confiança, já é meio caminho andado. O que eu quero é continuar ajudando, independentemente se os resultados estão ou não aparecendo. O fundamental é aproveitar a boa fase para concretizar a força do elenco da Portuguesa", avisa o goleiro.Gléguer chegou do Corinthians, por empréstimo, no início do ano passado para suprir a posição que pertencia a Bosco, que voltou ao Sport Recife depois de conseguir o passe livre na Justiça. Não demorou muito para ganhar a confiança da torcida. Tanto, que ao lado do volante Capitão e do meia Bruno, Gléguer é um dos remanescentes do elenco de 2003, após a chegada da Ability Sports.Após a vitória sobre o Corinthians - a primeira no campeonato - o jogador se mostra otimista em relação ao futuro do time no Paulistão. "Começou a surtir efeito o entrosamento do grupo. O time não é ruim; tem um bom potencial e a vitória deu mais tranqüilidade para se manter na briga. O futebol mostrado contra o Corinthians tem de servir de espelho para a seqüência do campeonato", promete.Neste sábado, contra a Ponte Preta, no Canindé, a Portuguesa quer provar que tem condições reais de avançar à próxima fase do Paulistão. Na 7ª posição do Grupo 1, com 4 pontos, o time pode começar a semana entre os quatro mais bem colocados, o que garantiria a Lusa na segunda fase."Eu considero o jogo contra a Ponte Preta mais difícil até que o clássico contra o Corinthians porque jogamos em casa e necessitamos da vitória para nos firmar. É a chance de partir em busca da classificação", afirma Gléguer.No coletivo desta quinta-feira, o técnico Dario Pereyra levou mais um susto. Depois do lateral Wellington Monteiro e o zagueiro Dênis chocarem-se no treino de ontem (11) - não sofreram nenhuma lesão mais grave -, hoje foi a vez do meia Luciano Souza deixar o gramado com uma contratura muscular na região lombar. Porém, no final do coletivo, o treinador foi avisado que o jogador já estava bem.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.