Conmebol/Divulgação
Conmebol/Divulgação

Globo comunica à Conmebol que quer rescindir contrato de transmissão da Libertadores

Emissora alega dificuldades com crise econômica e pandemia do coronavírus, além da alta do dólar

Guilherme Amaro, O Estado de S.Paulo

06 de agosto de 2020 | 22h22

A Rede Globo comunicou à Conmebol que quer rescindir o contrato de transmissão da Copa Libertadores da América. Em carta enviada para a entidade, a emissora alega o "cenário extremamente desafiador provocado pela crise econômica e potencializado pela pandemia de coronavírus". Além disso, a Globo lembra a "desvalorização cambial", porque o contrato foi firmado em dólar. A Libertadores será retomada no dia 15 de setembro, e as partes podem voltar a negociar até lá.

A Globo tentou renegociar o contrato de transmissão, que é válido até 2022, mas não chegou a um acordo com a Conmebol. O valor pago pela emissora é de US$ 65 milhões (R$ 346,6 milhões) por ano para poder transmitir as partidas em sua TV aberta e em seu canal fechado, o SporTV. 

O contrato entre as parte foi firmado quando o dólar estava a menos de R$ 4. Agora, a moeda americana vale R$ 5,33, provocando um aumento de quase R$ 100 milhões por ano de vínculo. As negociações ainda vão continuar entre as partes. A Libertadores deve voltar em setembro. É a competição sul-americana que mais motiva o torcedor brasileiro. O Flamengo é o último campeão da disputa. O time do Rio passou pelo River Plate no ano passado. 

VEJA A NOTA DA GLOBO

"Diante do cenário extremamente desafiador provocado pela crise econômica e potencializado pela pandemia de COVID-19, a Globo vem fazendo uma revisão completa de seu portfólio de direitos. Nesse contexto, e tendo em vista a suspensão daquela competição por vários meses, a empresa tentou renegociar com a Conmebol o contrato da Libertadores, válido até 2022, mas infelizmente não houve acordo. Assim, não restou alternativa à Globo a não ser rescindir o contrato.

Grandes players mundiais têm sido obrigados a renegociar seus acordos sobre eventos esportivos em razão da crise econômica provocada pela COVID-19, que, no Brasil, ainda é acentuada pela desvalorização cambial, que multiplica o valor dos contratos em dólar. Como principal competição de clubes das Américas, a Libertadores continua sendo importante para a Globo. No entanto, para que sua transmissão seja viável e satisfatória para todas as partes envolvidas, ela precisa se adequar à nova realidade mundial dos direitos esportivos e à situação econômica vivida pelo país.

Por fim, é importante esclarecer que havia no contrato cláusula específica de rescisão em caso de suspensão da competição por períodos prolongados, por motivo de força maior."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.