Johannes Eisele/AFP Photo
Johannes Eisele/AFP Photo

Godín se torna o jogador que mais vezes foi capitão uruguaio em partidas de Copa

Esta foi o terceiro Mundial disputado pelo zagueiro, que foi semifinalista em 2010, caiu nas oitavas de 2014 e nas quartas de 2018

Estadão Conteúdo

07 Julho 2018 | 11h58

O zagueiro Diego Godín se tornou o jogador do Uruguai que mais vezes foi capitão da seleção em Copas do Mundo. Eliminado da atual edição do torneio, após derrota por 2 a 0 para a França, em partida pelas quartas de final disputada na última sexta-feira, em Nizhny Novgorod, o defensor vestiu a braçadeira pela oitava vez em jogos de Mundial.

+ Presidente uruguaio envia mensagem para elogiar papel do país na Copa: 'Orgulho'

+ Sem alarde, Griezmann se destaca e leva a França às semifinais da Copa

+ Edu Gaspar diz que 'não é fácil ser Neymar' e lamenta queda: 'Dor que sangra'

Godín usou a faixa em três partidas da Copa de 2014, no Brasil, em vitórias contra Inglaterra e Itália, pela fase de grupos, e na derrota para a Colômbia nas oitavas de final. Há quatro anos, Diego Lugano chegou ao torneio como capitão uruguaio, mas depois de derrota na estreia, para a Costa Rica, o zagueiro perdeu a posição na equipe titular.

Antes do início do Mundial de 2018, Lugano dividia com dois compatriotas, Horacio Troche e Obdulio Varela, o recorde uruguaio de vestir a braçadeira mais vezes em Copas do Mundo. Os três ex-jogadores haviam ostentado a faixa em sete partidas cada, mas foram ultrapassados por causa dos cinco confrontos em que Godín foi capitão na Rússia, da estreia até a eliminação nas quartas de final.

"Mais do que nunca, sinto orgulho dos meus colegas e de ser uruguaio! Obrigado a todo o país por sempre nos apoiar! Posso assegurar que o nosso maior troféu é o respeito e o carinho de vocês! Em nome dos nosso grupo, obrigado mais uma vez!", escreveu Godín no Twitter, na última sexta-feira.

 

Foi a terceira Copa do Mundo disputada pelo zagueiro, que foi semifinalista em 2010, caiu nas oitavas de 2014 e nas quartas de 2018. Ao todo, Godín disputou 14 partidas em Mundiais e marcou um gol, que garantiu a vitória uruguaia sobre a Itália, por 1 a 0, na última rodada da fase de grupos da Copa realizada quatro anos atrás.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.