Marcos de Paula/Estadão
Marcos de Paula/Estadão

Goiânia e Curitiba recebem abertura das semifinais da Copa do Brasil

Flamengo encara o bem armado Goiás, enquanto o Grêmio, sem ataque, enfrenta o Atlético-PR

O Estado de S. Paulo

30 de outubro de 2013 | 07h35

RIO - O Flamengo está perto de salvar um ano que parecia praticamente perdido. Contra o Goiás, nesta quarta-feira, às 21h50, no Serra Dourada, o Rubro-negro inicia a disputa por uma vaga na final da Copa do Brasil. A tarefa carioca é buscar um resultado que lhe permita definir a classificação no Maracanã, com o apoio da torcida, como nas quartas de final contra o Botafogo. "O Goiás é um time excelente e praticamente não perde em casa. É um jogo que exige muitos cuidados. Temos de levar a decisão para nossa casa", disse o lateral André Santos.

O Goiás faz ótima temporada. Além de semifinalista, está na quinta colocação do Campeonato Brasileiro e tem boas chances de obter a vaga na Libertadores também por esse caminho. Eufóricos com o bom desempenho, os torcedores compraram todos os 38 mil ingressos disponíveis para o jogo. Tanto Jayme de Almeida, no Flamengo, quanto Enderson Moreira, no Goiás, têm problemas importantes para escalar suas equipes. O goleiro Felipe vai ser submetido a uma artroscopia no joelho esquerdo hoje e para por pelo menos um mês. Está fora do torneio.

O atacante Walter tem lesão muscular e é dúvida. Mas, na manhã desta terça, circulou um vídeo pela internet no qual o parrudo jogador garante presença na partida e ainda diz que vai "deitar e rolar". A aparição foi criticada pela diretoria e pela comissão técnica do Goiás. Se Walter não jogar, Junior Viçosa será seu substituto. "A gente tem de respeitar o cara que está do outro lado. Cada um fala o que quer, mas onde se decide é dentro de campo", retrucou o zagueiro Chicão. 

GRÊMIO SEM ATAQUE 

Em Curitiba, na Vila Capanema, o Atlético Paranaense, semifinalista da Copa do Brasil pela primeira vez na sua história, faz o primeiro jogo contra o Grêmio, que busca seu quinto título. Embora tenha a força das conquistas anteriores, o time gaúcho não terá os atacantes Barcos, Kleber e Vargas, todos suspensos. "O Grêmio tem condições de superar os desfalques. Para chegar à final, teremos de fazer mais do que fizemos até agora", diz o técnico Vágner Mancini. O técnico Renato Gaúcho não deu pistas sobre a formação do Grêmio. A tendência é que o esquema passe do 4-3-3 para o 3-5-2. O zagueiro Rhodolfo ocuparia uma das vagas. Maxi Rodríguez, Lucas Coelho, Paulinho, Mamute, Elano e Zé Roberto disputam as outras duas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.