Goiás: hotéis quase cheios para decisão

Hotéis cheios ou perto da lotação máxima e esquema de jogo de seleção brasileira para a partida de domingo entre Goiás e Corinthians, no estádio Serra Dourada, em Goiânia. A gerente comercial da rede Plaza Inn, Daniela Feresin, ficou surpresa com a quantidade de pessoas que procuraram a central de reservas logo na segunda-feira, assim que ficou confirmado que a decisão do Campeonato Brasileiro ocorreria no Centro-Oeste. ?Nem quando o Brasil esteve aqui na cidade (em março, enfrentando o Peru), tinha tantos interessados?, conta ela. Dois dos três estabelecimentos da rede estão lotados. ?As vagas do terceiro, acredito, acabam sábado?, completou. A maior parte dos grandes hotéis passou pela mesma situação, lucro inesperado para esta época do ano, quando a taxa de ocupação costuma ser de aproximadamente 40%. O Castros, primeiro cinco estrelas goianiense, tem reservas esgotadas desde quinta-feira. O torcedor que ainda quiser ficar em Goiânia terá de procurar as hospedagens pequenas - seis dos oito estabelecimentos onde a Agência Estado ligou ainda tinha lugares, mas a expectativa de seus proprietários é lotá-los no fim de semana. O confronto de domingo, mexeu mesmo com a cidade. Segurança - A Policia Militar do Estado de Goiás armou esquema de segurança similar ao dos grandes eventos que a cidade já recebeu. Serão 700 homens destacados para acompanhar os torcedores do Corinthians desde a chegada à Goiânia - 200 soldados ficarão dentro do Serra Dourada; o restante, nas imediações do estádio. ?Armamos uma operação tão grande quanto a que ocorreu quando o Brasil jogou aqui e igual ao da final do Estadual, quando havia o perigo de choque entre Vila Nova e Goiás?, explicou o coronel Valdivino Esmeraldo Soares, comandante da PM. ?Não esperamos ter problemas domingo, afinal, não há rivalidade dessa vez?. A PM acredita que 130 ônibus de caravanas corintianas chegarão de São Paulo, além de 40 a 50 veículos provenientes de Brasília - ficarão no estacionamento do Serra Dourada, num local com capacidade para 300 veículos de grande porte. ?Os ônibus serão acompanhados desde a rodovia, os torcedores serão revistados e observados o tempo todo para evitar qualquer tipo de confronto com pessoas de fora?, detalhou o coronel. ?Não poderão entrar no estádio com bandeiras que tenham mastros e com nenhum tipo de armas ou fogos de artifício?, ressaltou. De acordo com o coronel, não está prevista festa na cidade após a partida, mas ela não está proibida. ?Corre o boato de que o Vila Nova (rival do Goiás) deve liberar um local na cidade para os corintianos comemorarem, mas ainda não temos certeza se isso vai ocorrer ou não?, afirmou. O vice-presidente do Vila Nova, Nilton Ferreira, disse não ter conhecimento da informação, mas não a descartou. Os últimos ingressos foram vendidos nesta quinta-feira na sede do Goiás. ?Sabemos que muitos cambistas adquiriram as entradas. É uma realidade que não podemos controlar?, admitiu o coronel Esmeraldo. ?Não podemos fazer nada na venda, mas, se algum torcedor, no dia da partida, denunciar que foi abordado por cambistas, vamos agir e prender esses comerciantes?, garantiu.

Agencia Estado,

01 de dezembro de 2005 | 15h25

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.