Rosiron Rodrigues/ Goiás Esporte Clube
Rosiron Rodrigues/ Goiás Esporte Clube

Goiás monta equipe para fazer Walter emagrecer e colocá-lo em campo em julho

Clube abre oportunidade para atacante se recuperar de suspensão por doping e de casos de indisciplina

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

22 de maio de 2019 | 04h30

Antes inimiga, a balança virou agora uma aliada para Walter ter nova chance no futebol. O atacante marcado por problemas disciplinares, por uma suspensão em vigor por doping e principalmente pelo excesso de peso, agora conta justamente cada quilo e cada grama para provar ao Goiás que ele merece ter a terceira oportunidade de defender a equipe. O retorno do atacante aos gramados está previsto para o dia 14 de julho, pelo Campeonato Brasileiro, contra o Flamengo.

A diretoria do clube decidiu, no começo deste mês, acolher o jogador. Perto de completar 30 anos, Walter assinou contrato válido por três meses. O vínculo só será renovado se ele demonstrar dedicação nos treinamentos, recuperar o ritmo de jogo, ter bom comportamento fora de campo e, principalmente, emagrecer. O Goiás não cita números, porém tem como referência para o 1,78m de altura de Walter os 96 kg que ele tinha em 2013, no seu auge.

"Ele está consciente que tem esse momento como oportunidade única. Ele já tem uma idade avançada e pode aumentar a longevidade nos campos, mas para isso vale essa entrega, para que possa continuar jogando futebol", disse ao Estado o preparador físico do Goiás, Robson Gomes, responsável por monitorar a evolução de Walter.

O jogador, que não conseguia largar a bolacha recheada e refrigerante, pediu seguidamente ao Goiás no início do ano para receber uma nova chance. O atacante atravessava mais uma das várias polêmicas na carreira e precisava de alguém que lhe desse confiança. Walter não joga desde novembro, quando estava no CSA e foi pego no exame antidoping pelo uso de substâncias que ajudam no emagrecimento. A suspensão termina em julho.

Antes desse episódio, Walter foi preso em Maceió por ameaçar com uma arma de brinquedo um funcionário da Eletrobrás. A última passagem dele pelo Goiás, em 2016, terminou depois de o atacante agredir um goleiro das categorias de base.

O clube deixou de lado as polêmicas e montou uma equipe para acompanhar Walter nesses primeiros meses. O time tem preparador físico, nutricionista, psicólogo e fisioterapeuta. O atacante treina em dois períodos e precisa cumprir diferentes metas de rendimento físico.

Quem trabalha com ele garante que Walter está empenhado. "Ele tem tudo para recuperar e resgatar todo o bom momento. A personalidade dele é forte, mas a capacidade técnica também é", afirmou Robson Gomes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.