Reprodução/Goiás Twitter
Reprodução/Goiás Twitter

Goiás muda com Claudinei Oliveira para começar vida nova no Maracanã

'Acho que as mudanças são feitas a partir dos treinamentos', declarou o novo treinador, que assume time no lugar de Maurício Barbieri

Redação, Estadão Conteúdo

28 de abril de 2019 | 15h28

Depois de perder o título estadual para o rival Atlético-GO, o Goiás viveu uma semana de mudanças. Saiu o técnico Maurício Barbieri e chegou Claudinei Oliveira. Ele promete muitas mudanças para o jogo de estreia no Campeonato Brasileiro, diante do Fluminense, domingo, às 19 horas, no Maracanã.

"Acho que as mudanças são feitas a partir dos treinamentos", afirmou Claudinei, embora tenha tido apenas duas chances de comandar treinos técnicos e táticos durante a semana. Sem moral com a torcida, o goleiro Sidão, ex-São Paulo, é a novidade no banco de reservas. Ele perdeu a vaga para Tadeu, destaque da Ferroviária no Campeonato Paulista.

Mas para dar uma nova cara ao Goiás, o técnico promete novidades em outros setores. Pelo menos, foi assim, que o técnico sinalizou no último treino tático realizado na sexta-feira. Mesmo jogando fora de casa, ele quer dar mais força ofensiva ao time. No treino apareceu com Daniel Guedes, David Duarte, Renatinho e Kayke na equipe. Eles devem ser confirmados como titulares para as saídas de Kevin, Rafael Vaz, Marlone e Brandão. "A ideia é ar uma sacudida no time, mas todos os jogadores são importantes ao clube", justificou.

O duelo contra o Fluminense marca a reestreia de Claudinei pelo Goiás depois de cinco anos. O atacante Kayke, ex-Fluminense, vai vestir a camisa esmeraldina pela primeira vez e parece disposto a se vingar do seu clube anterior. Ele parece ter já esquecido a perda do título goiano e a eliminação na Copa do Brasil ao cutucar o time carioca. "Eles não ganharam nada este ano".

Os laterais Caíque Sá e Ernandes deixaram o clube e acertaram com a Chapecoense, a pedido do técnico Ney Franco, que ano passado subiu com o Goiás è elite nacional e agora dirige o time catarinense. Por coincidência, ele ocupa a vaga deixada por Claudinei Oliveira na tradicional dança de cadeiras entre os técnicos no futebol brasileiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.