Eduardo Di Baia/AP
Eduardo Di Baia/AP

Goiás perde e o Independiente é campeão da Sul-Americana

A equipe brasileira perdeu no tempo normal por 3 a 1 e nas penalidades máximas por 5 a 3

09 de dezembro de 2010 | 00h42

Em uma partida dramática, o Goiás perdeu nos pênaltis para o Independiente no estádio Libertadores da América, em Avellaneda, e viu a equipe argentina conquistar a Sul-Americana. A equipe brasileira perdeu no tempo normal por 3 a 1, foi melhor na prorrogação, mas no momento de decidir a partida nos pênaltis, perdeu por 5 a 3, e deixou a vaga na Libertadores para o Grêmio, quarto colocado no Campeonato Brasileiro.

 

A equipe havia vencido a primeira partida no Serra Dourada por 2 a 0, resultado que obrigou o time argentino a pressionar os brasileiros desde o início, foi melhor durante boa parte da partida, mas deixou escapar o título na disputa de pênalti ao errar a terceira cobrança.  A conquista levou a equipe argentina para a Taça Sul-Libertadores, e quebrou um hiato de 15 anos de títulos internacionais.

 

O primeiro tempo foi todo do Independiente. Desde os primeiros minutos os donos da casa tomaram a iniciativa da partida, motivados pela torcida e pela necessidade de ter de tirar a diferença de 2 gols para, no mínimo, levar a partida o pênalti.

 

E não tardou muito para o primeiro gol aparecer. Aos 18 minutos, após chegar algumas vezes no gol da equipe brasileira, Matheu se aproveitou de uma cobrança de falta ensaiada, chutou forte e Julián Vélazquez se aproveitou de rebote de Harlei para marcar.

 

O gol não abalou o Goiás, que em menos de 3 minutos depois chegou ao empate com o artilheiro Rafael Moura. O jogador, que tem o nome sondado para reforçar a equipe argentina Estudiantes de La Plata na próxima temporada, se aproveitou de boa jogada de Wellington Saci e marcou o gol de empate de cabeça, no contrapé de Hilário Navarro.

 

A partida continuou quente e, aos 26, cinco minutos após o empate, o Independiente encontrou um gol em um bate-rebate na entrada da área da equipe brasileira. Em lançamento para a área, Ernando tentou afastar e chutou em cima de Parra. A bola encobriu Harlei caiu no fundo da rede.

 

Na frente no marcador, o Independiente continuou a pressionar o Goiás e a estrela do atacante Facundo Parra brilhou mais uma vez. O jogador recebeu cruzamento de Pato Rodriguez, disputou a bola com Marcão, que falhou na jogada, e mesmo no chão conseguiu chutar a bola para marcar o terceiro da equipe na partida.

 

A segunda etapa continuou quente e os ânimos dos dois lados ainda mais acirrados, com disputas ríspidas e aumento de número de faltas. E este jogo disputado foi melhor para o Goiás, que conseguiu manter a bola mais tempo longe de seu gol e aproveitar algumas jogadas para levar perigo ao gol de Hilário Navarro.

 

O time brasileiro conseguiu descontar aos 13 com Otacílio Neto, mas o juiz assinalou impedimento do atacante brasileiro. O jogador recebeu de Saci dentro da área, saiu na cara de Navarro e marcou, mas estava pouco menos de 1 metro na frente do último defensor argentino.

 

O gol fez com que os brasileiros ganhassem ânimo e dificultassem a partida para os argentinos. O Goiás criou mais oportunidades do que no primeiro tempo e Rafael Moura teve a bola do jogo algumas vezes para definir.

 

Prorrogação. O placar intacto na segunda etapa fez com que a partida fosse decidida na prorrogação, já que na final não existe o gol qualificado como nas outras fases. Com um melhor preparo físico, o Goiás dominou toda a etapa, teve oportunidades para definir, mas parou na trave e no goleiro Hilário Navarro.

 

Marcão fez para o Goiás no início da segunda etapa da prorrogação, mas mais uma vez o bandeira assinalou impedimento da equipe brasileira. Após cobrança de escanteio, Ernando desviou e Marcão, já em impedimento, concluiu de cabeça para defesa de Navarro, no rebote o defensor marcou, mas o lance já não valia mais.

 

Penalidades. A manutenção do resultado na prorrogação levou a partida para a disputa de penalidades máximas, que foi vencida pelo Independiente. Os argentinos converteram todas as suas cinco cobranças - Velázquez, Parra, Gracián, Matheu, Tuzzio -, e o Goiás errou a terceira cobrança com Felipe - Rafael Toloi, Éverton Santos e Rafael Moura marcaram -, e deixou escapar a conquista de seu primeiro título internacional.

 

Independiente - 3 (5) - Hilario Navarro ; Eduardo Tuzzio , Carlos Matheu , Julián Velázquez  , Lucas Mareque; Nicolás Cabrera, Battion, Hernán Fredes (Velazquez), Nico Martinez (Gomez), Patricio Rodríguez (Leandro Grácian) , Facundo Parra. Treinador: Antonio Mohamed

 

Goiás - 1 (3) - Harlei; Douglas (Éverton Santos), Rafael Toloi, Ernando, Marcão, Wellington Saci; Amaral, Carlos Alberto, Marcelo Costa; Otacílio Neto (Felipe) , Rafael Moura  . Treinador: Artur Neto

Gols - Velázquez, aos 19, Rafael Moura, aos 22, e Parra, aos 26 e aos 34 minutos do primeiro tempo. Pênaltis - Rafael Toloi, Everton Santos e Rafael Moura marcaram para o Goiás e Felipe errou; Maxi Velázquez, Parra, Gracián, Matheu e Tuzzio marcaram para o Independiente.

Árbitro - Oscar Ruiz (Colômbia). Local - Estádio Libertadores da América, em Avellaneda (Argentina).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.