Gol a 56 metros de distância faz Cazares sonhar com Prêmio Puskás

Gol a 56 metros de distância faz Cazares sonhar com Prêmio Puskás

Lance na final da Copa do Brasil deixa equatoriano como favorito à próxima edição do prêmio

O Estado de S. Paulo

08 de dezembro de 2016 | 19h55

O gol tardio de Cazares, nos minutos finais da decisão da Copa do Brasil, não ajudou o Atlético-MG a sair com o título na quarta-feira, em Porto Alegre, mas já pode fazer o jogador equatoriano sonhar com outro feito. Ao marcar de um chute de antes do meio-campo contra o Grêmio, ele virou forte candidato ao Prêmio Puskás da próxima edição.

O chute de longa distância na Arena Grêmio fez o equatoriano se orgulhar do velho clichê, por ter marcado o gol que Pelé não conseguiu. Cazares arriscou de antes do meio-campo e surpreendeu o goleiro Marcelo Grohe para igualar a final em 1 a 1. De local próximo no campo o Rei do Futebol tentou marcar contra a Checoslováquia, na Copa do Mundo de 1970, porém não acertou o alvo por pouco.

O gol do Atlético-MG veio nos acréscimos e não ajudou a tirar o título gaúcho, apesar do bonito lance. O chute saiu de uma distância aproximada de 56 metros e levou cerca de três segundos para chegar ao gol adversário. A bola viajou a cerca de 67 km/h e surpreendeu Grohe. O goleiro admitiu que estava mal posicionado no momento do chute.

"Eu estava muito adiantado mesmo, fui cobrar a falta lateral, fiz a reposição e fiquei na frente da área. Quando vi o Cazares, bateu o desespero", contou. "Eu tentei voltar, mas não tinha mais noção de onde eu estava, a posição do gol. Ele fez um verdadeiro golaço", afirmou.

O belo lance já desponta como favorito a concorrer à próxima edição do Prêmio Puskás, dado pela Fifa ao gol mais bonito do ano. A atual eleição se encerrou em novembro, quando a entidade divulgou os dez concorrentes, dos quais saíram três finalistas. Um deles é Marlone, do Corinthians, que marcou de voleio contra o Cobresal, pela Copa Libertadores.

O gol de Cazares, por ter sido feito depois da finalização da lista de concorrentes, poderá disputar somente a edição do prêmio que será entregue no começo de 2018.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.